BOOKS || Susan não quer saber do amor (Sarah Haywood)

Autor: Sarah Haywood
Tradutor: Ana Rodrigues
Editora: Intrínseca
Série: Não
Temas: Romance, Comédia
Nesta estreia charmosa e comovente, a jornada não convencional de uma mulher para encontrar o amor significa aprender a abraçar o inesperado.
Para Susan Green, emoções confusas não se encaixam na equação de sua vida perfeitamente ordenada. Ela tem um apartamento que é ideal para um, um trabalho que combina com sua paixão pela lógica e um "arranjo interpessoal" que oferece benefícios culturais e outros mais íntimos. Mas, de repente, confrontada com a perda de sua mãe e a notícia de que ela está prestes a se tornar mãe, o maior medo de Susan se concretiza. Ela está perdendo o controle.
Então conhecemos Rob, o duvidoso, mas bem-intencionado amigo de seu irmão indolente. Conforme a data de parto de Susan se aproxima e seu mundo vira ainda mais de pernas para o ar, Susan encontra um aliado improvável em Rob. Ela pode ter a chance de encontrar o amor verdadeiro e aprender a amar a si mesma, se ao menos ela puder descobrir como deixar ir.

>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<

"Não sou o tipo de mulher que guarda rancor, fica remoendo problemas ou questionando os motivos de outras pessoas agirem da forma que agem.”

RESENHA<<<

Olá, galerinha, linda, hoje trouxe a resenha de um livro que estava bem curiosa para ler, não é um gênero que eu leia com frequência, mas ele me chamou bastante atenção. 
Bora lá?

Susan não quer saber do amor, 
foi um dos livros que saiu pela Intrínsecos, mas eu não assino e nem sou patrocinada pelo clube, então li a versão para meros mortais rsrs. (Se não me engano, foi a versão de junho, e que vi por aí, e me chamou atenção o enredo!). 

Susan é uma personagem forte, mandona, controladora, exigente, prática, objetiva e meio maluca até! Que de repente vê sua vida mudar drasticamente; ela está com quarenta e cinco anos, grávida; sua mãe vem a óbito e deixa a casa para o irmão, um inútil! E é nesse clima, que Susan se vê com seu mundinho de pernas para o ar, percebendo aos poucos, que não dá para controlar tudo; ter tudo do seu jeito, por mais que dê duro para isso e soe até absurda em inúmeras situações. Quanto mais mantém as pessoas longe, melhor é! 

"Não sou o tipo de mulher que guarda rancor, fica remoendo problemas ou questionando os motivos de outras pessoas agirem da forma que agem. Também não me sinto impelida a ganhar uma discussão a qualquer custo. Mas, como acontece com todas as regras, é claro que há exceções. Não vou ficar parada sem fazer nada vendo uma pessoa sendo explorada por outra."

Bom, eu adorei Susan de todo meu coração, pude ver um pouco das características de Susan que vejo no mundo real de pertinho, e isso traz aquela familiaridade sabe?

De início, parece que a personagem seria daquelas detestáveis. Ledo engano, Susan é bem prática, engraçada e se vira nos trinta. Ela é extremamente louca em algumas situações e isso é engraçado demais. Gente! Como me diverti com essa leitura e protagonista! 

Um livro que me surpreendeu positivamente, e ver a personagem evoluir foi bem animador. Além de entendermos como ela é, por conta de suas relações com familiares. E para quem pensa que é só isso, temos uma surpresa ao fim, que faz toda a leitura ter valido ainda mais a pena! Susan tem seu jeito e sua personalidade forte, mas não é dessas personagens amargas que fica se lamentando ou culpando os outros, pelo contrário, ela se parece comigo, prática, prefere até manter as pessoas longe 🙄🙋🏼♀️👀 (estou trabalhando esse meu lado! Juro!). 

Esse livro também traz personagens secundários bem construídos e relevantes para a trama, e isso é algo que vivo dizendo por aí que amo demais! E a Sarah Haywood fez um gol de placa comigo aí!

Edward vale ser mencionado, irmão de Susan, e é tão crível, que chega a ser detestável! Kkkkk Mais um ponto para a autora! Ele tem pontos que o favoreceram em determinado momento, mas que ele é um inútil na maior parte do tempo, isso ele é! E me deu raiva! O que quer dizer que a autora foi feliz em sua criação escrita! 

Kate é outra personagem que vale ser mencionada; costumo ser aversa a vizinhos, mas ela é aquele tipo de vizinho que vale a pena ter amizade e se permitir! Tem outros personagens que curti muito, mas vale falar também da relação de Susan com seu ex-amante, Richard, com quem mantém uma relação casual de doze anos e é o pai do seu bebê. Vocês não têm ideia da dinâmica desses personagens e "praticidade" em "negociar" a vida do bebê. É direta, prática, bizarra, fria e funcional! 

Susan não é uma personagem adorável, mas é como é, e vai conquistando todos ao redor, e até mesmo a nós leitores, quando passamos a entender o porquê da sua personalidade, do seu jeito e simplesmente me vi amando Susan, como não imaginei ser possível! 

Susan e eu temos cactos e estou preocupada o que isso quer dizer sobre ela e sobre mim. Kkk... Zoando! 

Mas sério! É algo quase imperceptível, mas que têm relevância na trama e no título! E... Estou mega feliz que esse é mais um título que vai ser adaptado e sinceramente é aquele tipo de enredo que dá super certo nas telas sabe? 

Estou ansiosa para conferir já! 

A Intrínseca não tá de bobeira não! 

Share:

0 comentários