BOOKS || Infinity Ring [A série] (diversos autores)

 Autor: James Dashner
Tradutor: Alexandre Boide e outros
Editora: Seguinte
Série: Sim, Infinity Ring
Temas: Viagem no tempo, Infanto-juvenil, Aventura,  
Furacões, terremotos e outros desastres naturais estão destruindo cidades, estados e países inteiros. E a organização SQ, apesar de ser responsável por controlar o planeta, parece não se esforçar para evitar a chegada do cataclismo que acabaria de vez com toda a humanidade.
Dak Smyth assiste a tudo isso de dentro de casa, fazendo aquilo de que mais gosta: estudar história e comer queijo. Até o dia em que seus pais saem para uma viagem curta e ele e sua melhor amiga Sera Froste, uma garota totalmente fascinada por física quântica, resolvem matar a curiosidade e se aventurar no laboratório de ciências dos pais dele.
Lá, encontram nada mais nada menos que um dispositivo que, assim que for finalizado, possibilitará a viagem no tempo - o Anel do Infinito. Sera, craque da matemática, consegue preencher a última lacuna nos cálculos e, quando os pais de Dak retornam, o mecanismo está pronto para ser usado. Na primeira tentativa, porém, os dois adultos desaparecem. Quando tudo parece estar perdido, Dak e Sera são recrutados pelos Guardiões da História, uma sociedade secreta criada há muitos séculos. Eles então descobrem que os agentes da SQ estavam alterando eventos históricos importantes para conseguir mais poder para a organização, gerando as Grandes Fraturas, que em breve levarão ao fim do mundo.
Assim, de posse do Anel, Dak e Sera viajarão pela história com a missão nada fácil de encontrar os pais de Dak, corrigir as fraturas e salvar o planeta. Neste primeiro volume da série, eles voltarão à Espanha de 1492, onde está a Primeira Fratura, com o objetivo de embarcar em uma das naus da expedição de Cristóvão Colombo e garantir que seja ele o responsável pela chegada dos europeus à América.

>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<

“Dak Smyth estava sentado em seu galho favorito de sua árvore favorita, bem ao lado de Sera Froste, sua melhor amiga.”

RESENHA<<<

E será que vale a pena, depois de anos voltar à alguma história? Analisamos as coisas de modo diferente? Ou quando a gente tem uma cisma com algum autor/personagem/história isso realmente impacta a leitura mesmo no futuro?

Hoje é uma resenha/pensamento sobre a série INFINITY RING. Eu li o primeiro livro da série em 2013 quando ele saiu (confira a resenha aqui) e fiz algumas críticas duras sobre a série. Vale lembrar que antes tinha saído (ou estava terminando) uma outra série muito parecida – 39 PISTAS, cuja ideia é bem parecida – um coletivo de autores, onde cada um escreve uma parte da história. Sendo assim, não tem como não fazer uma pequena comparação.

Agora, quase 7 anos depois, resolvi continuar a série. Primeiro, acredito que peguei um ranço desnecessário? e queria tirar isso da mente, mas, também teve a situação da pandemia e o fato de tentar terminar as séries em aberto no blog. E claro, a ideia de viajar no tempo é algo que eu ADORO.

Minha vontade é de colocar a resenha que fiz do primeiro livro aqui. Confesso que passei muita raiva lendo os livros seguintes. Tudo que reclamei ou que gostaria que evoluísse, continuou igual até o fim, ou seja, passei raiva mesmo. Os personagens, acredito que foram a pior parte, simplesmente não consegui ter empatia com as crianças, foram mal construídas, chatas e viviam as mesmas situações em todos os livros. Fórmula pronta: chegar num tempo X >> encontrar um agente >> um embate >> salvar a situação >> próxima etapa.

Não senti uma evolução neles, sem ser injusta, no livro 3 – O Alçapão – temos um tema interessante e um momento de mais reflexão, porém nos outros a gente volta as mesmas situações. Foi cansativo.

Uns momentos confusos, tem a ver como o fato de que cada autor escreveu um livro (e consequentemente uma situação da história), minha questão é: isso foi acordado antes? Pois as vezes, tinha umas cidades/missões que eram colocadas, mas não foram desenvolvidas. Só para dizer que eles foram para o lugar Z, totalmente sem necessidade.

Para finalizar, a série tem 7 livros, mas existe um oitavo que nunca chegou por aqui. No livro 7 a gente tem um final, mas deixa aquela pulguinha atrás da orelha que tem mais coisas ainda. E lendo a sinopse do 8, a gente percebe que a aventura não acabou. Deixo aquela reclamação básica: trazer as séries completas – é horrível você começar a ler algo e ficar pelo meio do caminho (mesmo quando a gente não gosta da saga).

Sem querer comparar, mas já comparando, prefiro a saga 39 Pistas, me diverti mais e fiquei bem mais empolgada, porém quem tem filhos na idade dos protagonistas, pode se interessar, afinal, viagem no tempo é um assunto legal e pode ser interessante fazer essa relação – o que aprendemos na escola com literatura. Porém, a própria história, desenvolvimentos dos personagens e os acontecimentos e situações ficam bem a desejar.

Me arrependo de ter lido? Não, pois eram livros curtos e realmente queria algo leve durante alguns momentos, mas a minha ideia de 2013 não mudou. A série começou fraca e foi assim durante todo seu percurso.


Livros:
1 – Um Motim no Tempo (James Dashner)
2 – Dividir e Conquistar (Carrie Ryan)
3 – O Alçapão (Lisa McMann)
4 – A Maldição dos Ancestrais (Matt de la Peña)
5 – A Caverna das Maravilhas (Matthew J. Kirby)
6 – Atrás das Linhas Inimigas (Jennifer A. Nielsen)
7 – O Império de Ferro (James Dashner)
8 – Eternity (não veio para o BR – Matt de la Peña)

 

Share:

0 comentários