BOOKS || Crianças do Éden (Joey Graceffa)


Autor: Joey Graceffa
Tradutor: Glenda D’Oliveira
Editora: Galera Record
Série: Sim, Livro 1 (série Crianças do Éden)
Temas: Jovem-adulto, Distopia, Comportamento, Fantasia
Joey Graceffa conquistou os corações de milhões de jovens com seus vídeos no YouTube. Após o sucesso de vendas de seu livro de memórias, Joey apresenta agora seu primeiro romance, Crianças do Éden.
Em uma Terra envenenada e morta pelo homem, onde todos os animais e a maioria das plantas foram destruídos, o Éden é o último refúgio para o que restou da raça humana. Mas as medidas de controle populacional garantem que a existência de Rowan seja ilegal. A garota não pode frequentar a escola, fazer amigos, ou mesmo ser vista em público. Cada dia em que continua viva é um risco para sua família.
Cansada de viver escondida, Rowan decide pular os muros que a escondem, e, embora descubra ser fácil permanecer invisível quando não se existe legalmente, a noite de aventura pode acabar em tragédia. Cabe a Rowan usar toda sua habilidade para sobreviver em um mundo que a renega.
>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
"– Quero mais! – exijo, batendo o punho na mesa de jantar do pátio, feita de um material reluzente."

RESENHA<<<
Começo mais uma série aqui no blog e confesso que pela propaganda feita esperava mais, muito mais da história, que já posso adiantar tem clichê demais, a história é devagar e demora a engrenar, ou seja, é uma leitura leve e rapidinha para aquele final de semana chuvoso.

A história é uma distopia onde a Terra foi destruída (mentira?!) e sobraram poucos humanos e agora temos a política de apenas 1 filho (tipo na China), ou seja, nossa protagonista é Rowan, uma segunda filha que precisa viver escondida e não conhece nada além da sua casa e vê Éden apenas do muro da sua casa, até que finalmente após 16 anos ela vai ganhar uma nova identidade e poder viver, mas.... o resto vocês já podem imaginar. Nada é o que parecer ser, triângulos amorosos e tudo que faz a distopia YA ser aquele clichê que estamos acostumados.

A narrativa é muito arrastada até quase metade do livro, levei muito tempo para chegar até a metade e juro, desistir me passou pela cabeça muitas vezes, mas depois que a menina sai de casa a história começa, o problema é que até chegar lá tem muita, mas muita enrolação desnecessária, que o autor poderia ter condensado melhor.

Não consegui me apaixonar pela protagonista ou os personagens secundários, parece que falta amor/paixão neles, aquela atuação bem meia boca? Uns diálogos meio nonsense e falta de motivação. Claro que ali e aqui tem umas pitadas de coisas interessantes, mas até chegar na parte boa tem muita coisa chata antes e você acaba ficando meio desanimado.

O mundo imaginado por Joey carece de mais detalhes e a rapidez das ações dos personagens é algo que não passa batido à um leitor mais atento, para mim, esse é um roteiro de série/filme e seria ok, para o livro 2, espero uma evolução maior de tudo que foi escrito.

Share:

1 comentários

  1. Oi, Andy.
    Já li boas críticas a respeito desse livro, mas como todas elas eram de blogueiros parceiros muito jovens, não consegui sentir muita firmeza. Assim que li a sua resenha entendi porque... Não me animo a ler! Rs...
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir