BOOKS || Perdidos na Babilônia (Peter Lerangis)

Autor: Peter Lerangis
Tradutor: Johann Heyss
Editora: Verus
Série: Sim, livro 2 (série As 7 Maravilhas)
Temas: Infanto-juvenil, Aventura, Mitologia, Escola
NOVAS AVENTURAS E CORRIDAS CONTRA O TEMPO NO SEGUNDO VOLUME DA SÉRIE AS SETE MARAVILHAS
Perdidos na Babilônia é o segundo volume da série As Sete Maravilhas, que narra a história de Jack McKinley, um garoto comum com um problema. Dentro de alguns meses ele vai morrer — a menos que encontre sete esferas mágicas que foram escondidas nas Sete Maravilhas do Mundo Antigo.
No primeiro livro, Jack e sua turma conseguiram derrotar o Colosso de Rodes e capturar a primeira esfera, mas seu amigo Marco sumiu sem deixar rastros. Sem tempo a perder e sem saber em quem confiar, eles não têm escolha a não ser partir para a próxima etapa de sua jornada — os Jardins Suspensos da Babilônia!
>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
"No terceiro dia depois de voltar da Grécia, eu não fedia mais a baba de grifo. "

RESENHA<<<
Continuação da série SETE MARAVILHAS, para conhecer os venenos do anterior, clique aqui:

Terminei o primeiro livro achando que iria largar a série, mas como estava com saudades de aventuras e algo mais na pegada infanto-juvenil, resolvi voltar à mitologia e vê se o segundo livro teria mais gás e aventura que o anterior. Sim, ele empolga mais, porém ainda não chegou lá...

No livro anterior, reclamei que muita coisa era jogada e faltava explicação, aqui começamos a ter algumas, mas ainda tem muita coisa sem pé nem cabeça ou algo que precisa ser melhor explicado. Como disse, a ideia é boa, mas a estrutura das explicações e até mesmo para sustentar a história carece de mais aprofundamento. Inclusive tem um momento que um dos personagens meio que cita que falta mais explicações para o tal problema que eles possuem.

A aventura melhorou, nem embarquei 100% com as crianças para a Babilônia (onde o livro se passa e outra das 7 maravilhas), mas me convenceu bem mais e a estrutura da história foi melhor aproveitada – como chegamos, algumas descobertas, deu ruim e como sair.

Como toda boa série que se preze, o livro tem uma história pontual e um fio condutor para toda a trama, no anterior esse fio estava muito mal contado, mas aqui a gente já começa a ver que tem mais camadas escondidas, há uma briga entre duas organizações, personagens e suas reviravoltas, bem como uma explicaçãozinha se formando.

Não é meu livro de mitologia favorito, talvez a distância entre os livros tenha sido boa para ler com a mente mais aberta. Apesar de se passarem quase 5 anos desde que li o anterior, dá para ler de boa, claro que alguns detalhes a gente fica tentando se lembrar, mas a história fluiu sem problemas.


Quanto ao livro 3 a gente vê, é algo para ler sem muita pressa ou ansiedade...

Share:

2 comentários

  1. Oi, Andy.
    Confesso que depois de ler a sua resenha, já imagino que essa seja uma leitura que eu não vá fazer! Rs... Nada contra o livro, mas ultimamente ando precisando de histórias mais UAU, sabe... Depois que a gente lê tantos livros, começa a ficar meio com preguiça para livros que não cativam logo de cara.
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Te entendo completamente, tanto que fui ler esse segundo uns 3 anos depois...rs

      Excluir