BOOKS || O Príncipe Cruel (Holly Black)

Autor: Holly Black
Tradutor: Regiane Winarski
Editora: Galera Record
Série: Sim, livro 1 (série O Povo do Ar)
Temas: Comportamento, Fadas, Sobrenatural, Fantasia
Primeiro livro da mais nova série de Holly Black. Conheça a impressionante história de uma garota mortal que se vê presa em uma teia de intrigas reais.
Jude tinha 7 anos quando seus pais foram assassinados e foi forçada a viver no Reino das Fadas. Dez anos depois, tudo o que ela quer é ser como eles – lindos e imortais – e realmente pertencer ao Reino das Fadas, apesar de sua mortalidade. Mas muitos do povo das Fadas desprezam os humanos.
Especialmente o Príncipe Cardan, o filho mais jovem, mais bonito e mais cruel do Grande Rei. Para ganhar um lugar na Alta Corte, ela deve desafiá-lo... e enfrentar as consequências. Envolvida em intrigas e traições do palácio, Jude descobre sua própria capacidade para truques e derramamento de sangue.
Mas, com a ameaça de uma guerra civil e o Reino das Fadas por um fio, Jude precisará arriscar sua vida em uma perigosa aliança para salvar suas irmãs, e o próprio Reino. Com personagens únicos, reviravoltas inesperadas, e uma traição de tirar o fôlego, este livro vai deixar o leitor pedindo bis – querendo mergulhar de cabeça na continuação deste universo.
>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Em uma sonolenta tarde de sábado, um homem vestindo um casaco escuro e comprido hesitou na frente de uma casa numa rua arborizada.”

RESENHA<<< 
Que o mundo feérico é cheio de intrigas e conspirações, isso a gente já sabe, não só pelo que já foi dito nas lendas e passado pelas tradições, mas em qualquer livro sobre o assunto e quando se mistura humanos (que podem mentir) com os feéricos (que podem omitir) a coisa fica bem interessante.

O livro começa bem mais do mesmo, temos a nossa protagonista Jude, uma humana que foi raptada e viu seus pais serem assassinados por um feérico e o mesmo acabou levando ela e suas irmãs para viver no Mundo das Fadas, dez anos depois, eis que Jude e suas irmãs; Taryn e Viviene vivem sob a tutela deste feérico e sob sua proteção, já que as duas (Jude e Taryn) são humanas e precisam ser protegidas dos feéricos, o que gera amor e ódio, tanto delas quanto deles.

Taryn foi uma personagem bem decepcionante, na verdade, em quase 80% ela nem aparece, acho que a autora só colocou para um determinado momento, mas sendo sincera, ela poderia ter colocado qualquer outro para fazer o mesmo drama, achei desnecessária. Já Vivi tem certo apelo e acho que no próximo livro ela terá uma certa importância. Gostei do seu jeito insolente, estilo ‘não-tô-nem-aí’. Metade humana, metade feérica, ela consegue analisar as coisas e nem sempre acha o mundo das fadas essa maravilha toda.

Já nossa Jude, ela é girl power, não leva desaforos para casa, luta, briga, xinga, mesmo que teoricamente ela seja mais fraca que os feéricos, já que ela é mortal, pode ser encantada e eles não. A relação amor e ódio dela com os feéricos é quase palpável, ela quer se encaixar no lugar que agora vive, mesmo lá não sendo o melhor dos mundos.

Como disse, até uns 30/35% do livro, as coisas são bem chatinhas e previsíveis, a relação amor e ódio, o bullying e tudo que a gente já está cansado de ver nos livros americanos, até escola das fadas nós temos no decorrer das páginas... Mas, de repente, as coisas começam a se encaixar e é nessa virada que o livro fica interessante, as reviravoltas, as maquinações, o quem-está-tramando-contra-quem.

A partir dessas descobertas, a leitura fica mais interessante, sai um pouco do clichê básico do início e pega um rumo mais interessante, a relação de poder muda um pouco e a história do príncipe Cardan começa lindamente e cheia dos plots twists. Foca na parte da coroação!


O final me surpreendeu e fiquei bem ansiosa para ler o próximo livro, esse sim, acho que vai dar tanto pano para manga (assim espero) que já estou ansiosa. Sou uma fã da escrita de Holly e de livros sobre o Mundo das Fadas, o que gosto na Holly é que ela não adoça esse mundo. Suas fadas são ruins, cruéis, tem a beleza, inteligência, mas acham os humanos meros habitantes pequenos e aqui ela mostra isso do começo ao fim.

Share:

1 comentários

  1. Oi, Andy!
    O que anda acontecendo com esses livros que começam sempre tão chatinhos?! Rs... Tem horas que eu penso seriamente em desistir deles, mas então respiro fundo e sigo em frente, torcendo para o momento da virada! Rs...
    Eu acho a temática do mundo feerico bem interessante e já anotei a dica aqui!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir