TRIP || Paris, França


Oie gente!!
Hoje vai ter um respost de viagem do meu antigo blog de viagem, mas achei bacana deixar tudo no mesmo blog, então aos poucos vou repostar essas dicas de lugares que já fui e aos poucos atualizo com mais coisinhas... ou seja, hoje eu falo de Paris, minha primeira visita à cidade-luz, em breve volto para atualizar o post com novidades ;)


Quando fui: janeiro/2012

Paris, Paris...
E eis que cheguei à cidade luz, cores, formas, a bela língua francesa e aquele jeito chique que os parisienses têm.

Em Paris foi o único lugar que não fiz o tour de ônibus, acho que devido aos locais que já sabia que queria visitar e não abria mão e como tudo em Paris é bem cheio (diga-se de passagem, em todos os locais de interesse tem muita fila, gente e horas esperando como em qualquer lugar do mundo). Mas sempre aconselho a fazer o passeio, muitas vezes a gente acaba passando por locais que nem sonharia.

Meu dia-a-dia na França:
Dia 0: Cheguei perto das 18hs, hora do rush em Paris e o aeroporto é mega longe de tudo e o engarrafamento não ajudou, por isso quando chegamos apenas andamos um pouco para conhecer o que tinha perto de nós e demos a sorte de achar uma pizzaria, preço justo e muito boa por sinal. Uma dica legal é caso você tenha o ‘foursquare’ abre na aba explorar, ele mostra os locais de comer, boates e afins perto de onde você se encontra.

Dia 1: Fui me aventurar na Champs-Elisée, muita atenção ao metrô, suas muitas estações, trocas de linhas e tal às vezes confundem todo mundo, por isso não saia do hotel sem pedir um mapa ou baixe algum em um aplicativo de celular. Saímos na estação “Charles de Gaulle/Étoile“ próximo ao Arco do Triunfo (quase dentro). A vista é bacana, depois de subir não sei quantos degraus, dá para ter uma vista bonita de Paris e de alguns dos monumentos, não se esqueçam das lojinhas ;). Depois continuei a bater perna pela Champs-Elisée, a avenida é grande e várias lojas de marca estão por lá. Inclusive a toda-poderosa Louis Vitton. Sempre  guarde o ticket do metrô com você até sair da estação!!!
 

Dia 2: Ir à França e não visitar a Eiffel é como ir à Roma e não ver o papa, ok, piadinha fail, mas é verdade... então se prepara para chegar lá e esperar. A estação é a “Champs de Mars/Bir-Hakeim” assim que você sai da estação já consegue avistá-la e não tem como errar o caminho, o problema é a fila. São 3 tipos de ingressos (o mais barato para subir de escada – na época era uns 6 euros, um para subir de elevador – uns 12 euros e o que vai até o mais alto da torre – uns 15 euros). A vista é a mais linda da cidade, tem lojinhas, coisa de comer e pode tirar muitas fotos. Como fui no inverno tinha um mini ring de patinação no gelo ;).

Depois segui para o Louvre, mas como estava com tempo fui andando pelo Sena, tirando fotos, andando vendo as modas parisiense, e acabei passando novamente pela Champs-Elisée, a praça La Concorde, o Jardin des Tuileries  (antes de chegar ao Louvre), é uma boa caminhada, mas amei ter ido andando, mas se você for do tipo preguiçoso, pegue o metrô e solte na estação “Musée du Louvre” e já saia lá. Nem preciso dizer que fiquei lá até o museu fechar. Fui ver a Monalisa e até me espantei o quadro é bem pequeno, você não chega muito perto e na sala onde ela fica tem uma pintura muito maior e ninguém da bola =/, para visitar o museu seriam necessários dias e dias, por isso acabei me focando na ala da antiguidade que curto mais (Grécia, Egito).

Dia 3: Como quando fui viajar, a Europa estava meio em crise e tinha algumas coisas em conta (nada se compara a comprar nos EUA, mas em relação ao Brasil estava barato pra caramba), descobri um outlet de marcas famosas e lá fomos nós. É preciso pegar o metrô da linha vermelha e pegar com destino à Marne-la-Vallée. O bilhete é mais caro então precisa dizer para onde vai, senão nas trocas de estações você vai ficar preso e terá de comprar um novo bilhete. O ponto final dessa linha é na EuroDisney, então peça o bilhete para lá se ficar em dúvidas. A estação para descer é Val d’Europe. Saia da estação, ande e passe pelo shopping. O outlet é a céu aberto, tem várias lojas boas lá, comprei calças, blusas e sapatos por um bom preço. Bem mais barato que em Paris. Mas é uma programação para o dia todo, o percurso leva 1 h e 30m para ir e o mesmo tempo para voltar.

A linha é A4 (fique prestando atenção porque passa mais de um destino na mesma estação).

Dia 4: Ir à Versailles é outro programa que dura um dia inteiro e como dito para o outlet, também precisa dizer que vai à Versailles, pois o bilhete também é mais caro. Compre logo o ida e volta e tome cuidado com o bilhete, se molhar ele acaba não lendo e é um sufoco passar nas catracas. A linha é a C5 (fique atento porque passa mais de um destino na mesma estação). A estação não é longe, é uns 5 minutos a pé. Nem tem muito erro porque praticamente todo mundo vai se dirigir para o mesmo lugar. Depois de comprar os ingressos (uns 12 euros na época), aproveite o lugar é lindo de morrer e vá ao jardim também. E beba muito chocolate quente ;)


Dia 5: Fui visitar a Notre Dame, como não ir? Ela fica localizada na Ilê de la Cité, uma ilha que tem no meio do Sena. A estação “St-Michel/Notre Dame” vai deixar praticamente de frente à catedral. Perto da catedral tem várias lojinhas de lembrança e algumas coisas são bem mais baratinhas que na Champs-Elisée ou nos locais de comercio que visitei. Para sair da ilha ou vai andando e passeando pelo Sena ou pode pegar o metrô e voltar para as áreas mais movimentadas. Eu fui andar e me perder. Porque bacana mesmo é bater perna!!! Aproveitei para começar as compras de final de viagem.


Dia 6: Meu último dia, aproveitei para comprar e visitar lugares como a Galeria Lafayette, a Ópera de Paris e outros monumentos, digo isso mais para o fim, pois fiquei mais perto deles do que dos grandes cartões postais. Então quase sempre passava por eles, tirava foto, mas nem sempre entrava. E sem contar que acabei passeando entre as lojas de ruas que não estavam na Champs-Elisée e consequentemente são mais baratas.

Dicas:
- Paris sempre tem e terá muitas coisas para ver e fazer, então é uma cidade que sempre se renova, mas não tem como não ir aos pontos principais.

- Apesar de muita gente falar que os franceses não falam nada sem ser o francês, é tudo mentira, falavam em inglês também. E eles eram bem simpáticos, contrariando o que a maioria diz.

- Locais de comer é igual ao que temos no Brasil – as grandes cadeias de lojas, Pizzahut, Mc Donald’s, Starbucks, Hard Rock Café – estão presentes também. Mas eles têm uma coisa muito bacana que são os pratos montados, tipo o nosso executivo, aí basta ver o prato e o que acompanha e comprar. Custa em média de 14 a 20 euros e na maioria das vezes tem entrada + prato principal + bebida ou prato principal + bebida + sobremesa.

- Se você for com poucas malas ou se conseguir carregar tudo, o metrô tem uma conexão com o aeroporto, é um ônibus que você pega perto do Ópera de Paris. É na faixa de uns 15 euros.

- Paris tem uma hora do rush tão infernal quanto a nossa, evite chegar ou sair perto das 18hs ou das 9hs, senão seu taxi vai a loucura, mas a média é de 50/70 euros a corrida.

- Falando do aeroporto, cuidado com a parada de taxi pirata, vá para fila de taxi certinha, porque eles ficam ‘espreitando’ e querendo que você os siga.
  
Notas:
- O Hotel que fiquei foi o Hotel Choiseul-Opéra (3 estrelas e cotação 7.4 no booking), amei o hotel. O quarto era grande, o café é no sistema self-service, mas tinha bastante opções, mas o café continuava parecendo chá. Ele fica perto da estação Opéra (que é o perto do Ópera Garnier – a inspiração do Theatro Municipal do Rio), para quem gosta de bater perna tem várias coisinhas perto dele, inclusive mercearias.

- Falando do hotel: todo mundo foi super simpático, sempre me oferecendo informações (e se desdobrando para tentar me ajudar, falando comigo em inglês e em francês). O Wifi é grátis e funciona muito bem nos quartos.

- Outros locais para visitar: Sacre-Couer, os parques, a EuroDisney, Quartier Latin.

- Mapa do metrô sempre na mão, porque a maioria das estações faz baldeação com inúmeras linhas e algumas estações se interligam, não saia do hotel sem um.

- Um guia bacana de levar é o Top 10 da Folha, ele costuma ser baratinho e tem boas dicas.

Share:

4 comentários

  1. Oi, Andy.
    Adorei essa sua postagem!
    Passei dois dias e meio em Paris em 1998, então, depois de 20 anos, acredito que muita coisa tenha mudado!! Rs...
    Foi gostoso ler a sua postagem e lembrar dos lugares em que passei!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paris é sempre Paris <3
      É bom relembrar os lugares que visitamos... tbm lembrei de mtas coisas, espero fazer um post mais recente em breve.

      Excluir
  2. Oi Andy! Paris é meu segundo destino dos sonhos! Amo tudo sobre a cidade! Me apaixonei por ela em 98, durante a copa do mundo, ganhei um guia completo sobre a cidade, com indicações de pontos turísticos e tal.. Eu tinha 8 anos, imagine você, como fiquei deslumbrada em ver todas aquelas fotos de lugares lindos, castelos e parques maravilhosos.. Desde então, tenho acalentado esse sonho de conhecer a cidade luz.. Enquanto isso, vou matando um pouco da vontade pelos seus posts!

    Bjoxx ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh vc vai conhecer a cidade-luz, levei 15 anos para conhecer a Grécia (que era meu primeiro sonho) e dps veio Paris, nunca desista e vá fazendo seu roteiro, de repente o destino lhe sorri e vc já terá tudo pronto ;)

      Excluir