TRIP || Onde se Hospedar?!


Parece que algumas coisas vêm para nos deixar ainda mais maravilhados ou ter a sensação que nós não estamos saindo de casa, mesmo de férias. E aí vem a pergunta, quando viajamos – nós queremos se sentir como os locais ou como os turistas?

Falo isso porque a cidade visitada pelos turistas é diferente da dos locais, não apenas pelo preço, mas o onde ir, onde comprar, onde de fato viver. E o jeito que a gente escolhe passar aqueles dias pode fazer uma diferença na hora de descobrir a cidade.

Confesso que nunca tinha ficado em apart-hotel em minhas viagens, sempre hotel ou pousada e toda aquela coisa que isso envolve – alguém fazendo seu quarto, a maioria tem café da manhã, alguns serviços a disposição e milhares de informações para o turista. Mas quando fui visitar Santiago, acabei ficando em um apart e simplesmente ADOREI.

O apart (Altura Suítes) era bem central e perto de estações de metrô e de uma área movimentada, e o melhor! Era perto de um mercado. Este apart ainda tinha um esquema meio hotel, em alguns dias vinha uma camareira e arrumava a cama e trocava as toalhas, mas não tinha café e você meio que era responsável por tudo. Ou seja, o apart disponibilizava o básico (principalmente na área de cozinha) e você ia se virar.

A vantagem disso para mim? Podia tomar café da manhã no apart (afinal tinha geladeira, pude comprar suco, café, pão, cereais, coisas que estão disponíveis no café dos hotéis) ou podia ir comer numa das lojas próximas, a mesma coisa acontecia na hora do almoço/jantar. Esse tipo de espaço deixa você mais livre, pode ficar no quarto em um dia que você não está muito bem ou cansado e pode fazer suas coisas e se quiser sair e gastar, também está liberado.

Mas aí, quando cheguei na França para fazer meu mestrado, eis que descobri o Airbnb. Ok, ele já existe tem algum tempo, mas eu nunca tinha usado. E ao contrário do apart, que ainda tem um Q de hotel, alguém tomando conta das coisas, no Airbnb é como estar na sua casa, mas em outra cidade, ou seja, você fica responsável por tudo durante o período que estiver usando aquele espaço.

Tem o mesmo princípio do apart, você está livre para consumir em casa ou na rua, mas você vai viver a vida do lugar literalmente. Claro que há casas no aplicativo que são no centro e próximas de tudo, mas tem outras que são longe e que não são tudo isso que foi dito quando o anuncio estava disponível. Então, como evitar cair em furada?

Olha, eu particularmente, gosto de anúncios de casas/aptos que possuem bastante fotos. E fotos do local em si, não da vista. Assim você consegue ter uma ideia geral do que vai encontrar. E claro, leia os comentários (nem que você use o google tradutor para isso), vale a pena ver o que as pessoas acharam ou reclamaram para tentar evitar cair em furada.

Outro ponto legal em observar é o local, se for muito residencial (e geralmente é mais barato), acaba sendo um pouco deserto e sem movimento até tarde – se bem que em determinados lugares do mundo a gente pode voltar para casa tarde da noite e a pé que ainda vai ser tranquilo, mas todo cuidado é pouco.

A verdade é que agora temos tantas opções ao viajar que as vezes eu fico até em dúvida de como quero me sentir. E cheguei à conclusão de para cada lugar que vou, busco a relação custo x benefício e como quero me sentir.

E vocês? Já foram de airbnb? Hostel? Appart? Como foi em cada uma das experiências?

Share:

2 comentários

  1. Oi, Andy.
    Costumo viajar bastante e minhas opções de hospedagem sempre dependem do lugar e do meu ânimo. Quando viajo de férias, prefiro hotéis com mais conforto, para que eu não precise me preocupar com nada. Mas se viajo para trabalhar ou estudar, gosto do esquema de flats e quartos que tenham uma cozinha pelo menos!! O curioso é que já encontrei muitos hotéis chiques com cozinha!! Rs... O melhor dos mundos! Rs...
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já encontrei bons hotéis com cozinha, mas anda bem raro agora, o airbnb está realmente tomando conta de tudo...rs

      Excluir