BOOKS || A Química que há Entre Nós (Krystal Sutherland)

Autor: Krystal Sutherland
Tradutor: Luisa Geisler
Editora: Globo Alt
Série: Não
Temas: Jovem-Adulto, Relacionamento, Comportamento
Grace Town é esquisita. E não é apenas por suas roupas masculinas, seu desleixo e a bengala que usa para andar. Ela também age de modo estranho: não quer se enturmar com ninguém e faz perguntas nada comuns.
Mas, por algum motivo inexplicável, Henry Page gosta muito dela. E cada vez mais ele quer estar por perto e viver esse sentimento que não sabe definir. Só que quanto mais próximos eles ficam, mais os segredos de Grace parecem obscuros.
Mesmo que pareça um romance fadado ao fracasso, Henry insiste em mergulhar nesse universo misterioso, do qual nunca poderia sair o mesmo. Com o tempo, fica claro para ele que o amor é uma grande confusão, mas uma confusão que ele quer desesperadamente viver. 
>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Sempre pensei que o momento em que você conhece o grande amor da sua vida fosse mais parecido com os filmes.”

RESENHA<<<
Não dei nada por este livro e tive uma grata surpresa, não o coloco como a melhor leitura do ano de 2017 (ainda falta bastante para o ano terminar), mas foi uma leitura interessante, intensa e que vale a pena dar uma chance para a mesma.

De enredo simples, mas com personalidade e finalmente narrado por um ponto de vista masculino que mostra todas as verdades e mentiras e inclusive suas inseguranças, problemas e como tentar se ajeitar na sociedade, ‘A Química Que Há Entre Nós’ trata da vida de todos nós – paixões, segredos, verdades e mentiras, o que fazer em determinadas situações e como lidar com sua família e amigos?!

Henry é um jovem atípico e Grace é uma menina misteriosa, a química entre eles é estranha no início, mas o desenrolar da história é bom. Tem muitos dramas e momentos mais tensos, principalmente da parte de Grace, afinal ela sofreu um acidente e a gente quer porque quer saber como, onde e porquê. Mas, como acompanhamos a história aos poucos e sob o ponto de vista de Henry, ele precisa entender tudo para seguir (e nós também).

A relação entre eles é tensa e cheio de altos e baixos, confesso que teve momentos que não entendia a personagem Grace, ela passou por muitas coisas e até entendo um certo receio de seguir em frente, talvez a autora tenha feito isso como uma tentativa de mostrar como as vezes a gente se prende e não avança na vida.

Já com Henry a coisa também empaca, mas não por ele não tentar. E sim, por não saber como agir, até onde ir e como se manter. Ele foi um protagonista atípico, geralmente os meninos são descritos de forma diferente, sempre cheios de si ou perfeitos, e ele é bem real... ele erra, se perde, fica confuso, não sabe como seguir, acha que está indo bem. Coisas típicas da juventude (talvez de toda a vida), mas ele encara isso de uma forma interessante e sem medo.

A história aqui contada é cheia de vida, seus altos e baixos, relacionamentos, sejam eles: amigos, amores, família, aprendizados. É uma história de certa forma intensa, as vezes um tanto bruta, mas vale acompanhar e repensar na nossa vida.


A leitura tem momentos de empacar, mas dou o crédito à Grace, tem momentos que nem ela mesma sabe o que quer e isso acaba prejudicando a história. Um dos momentos que achei mais nonsense foi quando sabemos do passado dela. Muitas pessoas odiaram este ponto, eu achei um pouco bizarro, mas aceitei algumas partes. A verdade é que cada um lida de forma diferente com os altos e baixos da vida.

Share:

0 comentários