POISON BOOKS || A Caminho do Azul Sereno (Veronica Rossi)

Autor: Veronica Rossi
Tradutor: Alice Klesck
Editora: Rocco
Série: Sim, livro 3 (Trilogia Never Sky)
Temas: Jovem-Adulto, Distopia, Relacionamento,
SINOPSE: No derradeiro capítulo da trilogia Never Sky, sucesso da brasileira radicada nos EUA Veronica Rossi, Aria e Perry estão determinados. No derradeiro capítulo da trilogia Never Sky, sucesso da brasileira radicada nos EUA Veronica Rossi, Aria e Perry estão determinados a encontrar o Azul Sereno, o último refúgio contra as tempestades de éter, cada vez mais constantes no mundo em que vivem. Mais do que o amor proibido que os mantém ligados, eles precisam unir Forasteiros e Ocupantes se quiserem sobreviver, e salvar a vida daqueles que amam. Sem escolha e determinados a permanecerem juntos, contra todas as probabilidades, os dois protagonistas partem para a mais perigosa de suas aventuras, que não só colocará à prova seu amor, coragem e capacidade de liderança, como também exigirá grandes sacrifícios. Será que eles estão preparados para a jornada A caminho do Azul Sereno?


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Ária acordou subitamente, com o eco dos tiros zunindo em seus ouvidos.”

RESENHA<<<
Esta é uma série que fiquei muito feliz em acabar, na verdade dei Graças a Deus de finalmente ter chegado ao fim e estou me perguntando o porquê de a autora ter feito 3 livros com essa enrolação total.

Informações sobre os anteriores:

O grande problema desta série foi a ‘embromation’, a autora não tinha estrutura/ informação/ enredo para segurar os três livros e isso acabou se refletindo em livros fracos, chatos e repetitivos. Praticamente os três livros falam, falam e não saem do lugar.

Esperava muito mais deste livro, por ser o final, imaginei altas tramas, o tal do Azul Sereno como um lugar mágico cheio de paz e pessoas felizes, uma estrutura que sustentasse todo o drama criado para este livro, mas não. O final foi previsível, chato e poderia ser contado até no máximo a página 50.

Ária e Perry são personagens que não sabem o que querem, em cada livro apareceram de um jeito, alguns poderiam questionar sobre a evolução dos mesmos, mas não, isso não aconteceu. No contexto geral, parecem crianças birrentas que cada hora querem algo e não se sustentam naquilo. Imaginava mais maturidade para o casal, principalmente depois das coisas vividas no primeiro livro, as partes estranhas e bizarras do segundo e o rumo das coisas aqui neste final.

Os demais personagens, temos alguns altos e baixos. Mas o grande problema é que a causa por qual cada um luta não foi bem elaborada, faltou aprofundar muitos detalhes, inclusive dos ‘vilões’ da história. Beleza que todos querem o tal Azul Sereno, mas o que ele é? O que ganhariam? Os objetivos e ideias? Nada disso foi contemplado e nem mesmo no caso da tribo do Perry, foi algo ‘queremos porque precisamos de um lugar para o povo’.

Teve algumas descobertas e inserção de novos personagens que poderiam ter sido mais. Acabou ficando muito jogado e corrido e não teve um aprofundamento, analisando friamente, me perguntei porque isso foi inserido, já que acabou passando uma forma meio ‘jogada’ e poderia ter sido retirada da história sem grandes dramas.

Ao longo deste livro e dos outros, percebi que a autora poderia ter condensado a história em um único livro e ter feito algo mais interessante, fluído e sem essa enrolação e repetição toda que lemos a cada página. É cansativo não sair do lugar ou ter a sensação de que poderia estar lendo algo mais legal.

Acredito que a forma como as distopias andam sendo contadas já tenha atingido ao limite e será preciso investir mais tempo, pesquisas e melhorar a estrutura para que as histórias continuem sendo interessantes, evitem ser maçantes e a gente possa apostar nesse gênero e ser surpreendido.

Ahhh, existem 2 contos sobre a série – Roar e Liv & Brooke, estes personagens possuem boas histórias e são interessantes dentro do universo Never Sky.

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<

Share:

0 comentários