POISON BOOKS || A Redenção do Anjo Caído (Fabio Baptista)

Autor: Fabio Baptista
Tradutor: -
Editora: FSB Books
Série: Não
Temas: Adulto, Anjos, Lit. Brasileira, Fantasia
SINOPSE: Após refletir sobre a Batalha da Queda dos Anjos e outros eventos ocorridos em sua longa existência, Lúcifer conclui que é inútil continuar lutando contra a onipotência, onisciência e onipresença do Altíssimo. Decide então se render e, com esse intuito, vai ao Paraíso, onde Deus lhe faz uma proposta: para ter chances de ser perdoado, ele deverá vir a Terra, na condição de mortal, e, aqui, precisará conviver e fazer algo bom pela humanidade que tanto despreza. 
No mundo dos homens, o Anjo Caído buscará sua redenção. 
E conhecerá o verdadeiro inferno.


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“O anjo chegou empolgado ao último degrau da escadaria.”

RESENHA<<<
Quando o autor Fabio Baptista falou de seu livro e disse que chegou até o blog devido a resenha de ‘A Batalha do Apocalipse’ (uma resenha de 2010), fiquei curiosa com o assunto de seu livro, mas ao mesmo tempo imaginei que ele seria tão denso e até confuso como foi o livro do Spohr.

Mas, o livro trata de algo diferente, de uma redenção de Lúcifer, que após eras governando o Inferno compreende que qualquer plano que tenha ou possa vir a ter contra Deus jamais dará certo, pois se ele é onipresente, criou o mundo, como ele não saberia o que estar por vir? E com esse pensamento, Lúcifer percebe que jamais conseguirá qualquer coisa, sendo assim ele tenta uma redenção junto ao criador.

O resumo geral da história é esse, mas após aceitar o trato de Deus e vir para Terra e viver como os humanos – sem usar seus poderes e de quebra fazer uma boa ação para humanidade, a história perdeu um pouco do brilho que poderia ter.

No prólogo, temos a cena da batalha e queda do Anjo, seus generais, a fúria e todas as situações que já conhecemos, apresentadas em séries, na Bíblia ou em livros envolvendo o tema e após sua queda, temos alguns momentos passados no Inferno com seus soldados.

Gostaria de ter visto mais narrativa e um enredo mais envolvente nessa parte, as maquinações, a inveja dos humanos e até mesmo a situação de alguns generais em relação a eterna luta do bem versus mal. Os capítulos relacionados a esse momento pareciam uma reunião de diretoria de empresa, onde todo mundo estava com o colega entalado e vai ser contra a tudo que o outro falar ou tem aquele puxa-saco, já conhecemos os tipos, provavelmente todos já trabalharam com pessoas assim.

Eu sei que algumas pessoas podem estar pensando ‘Andy, você quer morte, sangue, sofrimento no livro?’. Gente, estamos no Inferno, com a alta cúpula (se é que podemos chamar assim), faltou emoção, intensidade e medo, esperava sentimentos mais intensos, mais fortes e narrativa mais densa e elaborada.

Seguindo com as informações apresentadas no livro, temos finalmente Lúcifer entre nós de forma incógnita, e o autor soube mostrar algumas situações que são comuns nas grandes cidades, como pessoas de ruas, bandidos, as pessoas contra isso, os políticos, os espertos. Essas cenas foram bem descritas e ele soube mostrar a realidade nua e crua da vida cotidiana. Porém, senti Lúcifer como coadjuvante, os outros personagens ganharam mais vida e foram mais intensos, entendo que o objetivo era que ele fosse como nós, mas ele ficou apagado perante outros personagens.

A narrativa de modo geral foi lenta, alguns capítulos poderiam ter sido mais dinâmicos e intensos, aprofundar alguns pontos e situações. Foram altos e baixos durante todo o livro, algumas partes, a leitura flui bem, em outras ela demorava bem mais.

O livro ganha um novo folego após 70% (estava lendo no Kindle) e confesso que essa virada deu um novo ‘up’ para a história, mas ter de esperar 70% do livro para ver mudança foi um pouco cansativo, acredito que essa mudança deveria ter acontecido perto do 50%, seria um novo gás para a história e poder trabalhar mais no desfecho.

Nos capítulos finais voltamos a história travada na Bíblia, a parte do Apocalipse misturada com momentos passados aqui na Terra, alguns personagens são mostrados (gente nova que não apareceu antes) e diversas situações. E um final ‘em aberto’, digamos assim para não estragar o desfecho da história.

Gostei de algumas passagens e outras poderiam ser melhor trabalhadas, vi algumas referências em diversos momentos e coisas diferentes. Talvez tenha faltado um pouco mais de relação com o leitor e algo um pouco mais dinâmico, mas para quem curte a leitura de assuntos relacionados à Deus ou a eterna luta Bem x Mal, vale dar uma chance ao livro.

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<

Share:

0 comentários