POISON BOOKS || Filha das Trevas (Kelly Keaton)

Autor: Kelly Keaton
Tradutor: Daniela Dias
Editora: Galera Record
Série: Sim, livro 1 (série Deuses e Monstros)
Temas: Jovem-Adulto, Suspense, Sobrenatural
SINOPSE: Ari se sente perdida e solitária. Com olhos azul-esverdeados e cabelos prateados esquisitos, que não podem ser modificados nem destruídos, sempre chamou a atenção por onde passava. Depois de crescer em casas adotivas, tudo o que quer é descobrir de onde veio e quem ela é. Em sua busca por respostas, encontra uma mensagem escrita pela mãe morta há muito tempo: fuja. A garota percebe que precisa voltar para o local de seu nascimento, Nova 2 — a cidade luxuosa, que foi inteiramente remodelada —, em Nova Orleans. Lá, ela é aparentemente normal. Mas cada criatura que encontra, por mais mortal ou horrível que seja, sente medo dela. Ari não vai parar até desvendar os mistérios de sua existência. No entanto, algumas verdades são terríveis e assustadoras demais para serem reveladas.

>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Debaixo da mesa do refeitório, meu joelho direito quicava como se estivesse possuído pelo espírito de uma britadeira.”

RESENHA<<<
Confesso que ando sendo ‘trolada’ pelas sinopses dos livros, ou quem escreve a sinopse não leu o livro, e aí, coloca algo mais interessante do que é, ou a pessoa leu o livro, viu que é muita viagem e escreve algo mais legal para fazer as pessoas quererem ler. Estou começando a ficar em dúvida, porque este é o segundo ou terceiro livro seguido que acontece a mesma coisa.

Olha, nem tenho palavras para definir esta viagem que foi este livro, e eu curto livros meio doidos, mas é preciso uma mente muito aberta para processar a ideia que a autora quis passar. E analisando friamente, nem é uma ideia ruim, mas o jeito que a coisa foi conduzida, fugiu completamente dos trilhos.

O livro tem uma pegada meio distopia com seres sobrenaturais, numa versão alternativa onde Nova Orleans foi devastada e esquecida do mapa, grupos dominam a cidade e eles não são exatamente humanos. E a nossa protagonista precisa saber quem ela é de verdade, qual a maldição que aflige sua família e como (e se tem como) reverter isso.

A narrativa é cansativa e enrolada, na ânsia de fugir do óbvio e querer colocar mais mistério ou algo tipo de virada ímpar, o livro se perde em coisas repetidas e no ritmo lento de sua narrativa, a autora demora tanto para contar as coisas que você acaba descobrindo e as coisas parecem perder o time.

Nos personagens faltou uma melhor estrutura, você entende sobre eles, mas não está bem definido, suas histórias são fracas e ações idem, até mesmo a protagonista que aparece como ‘bad girl’ se perde em suas propostas, mas também dou crédito para a construção da história, isso enfraquece e muito a atuação dos personagens. Muitas vezes a sensação que tive era nadar, nadar e morrer na praia.

Quanto a ideia geral do livro, não foi ruim, mas o mistério que autora quis criar e como ela foi resolvendo isso e a mostra dos personagens, vilões e o decorrer da história não ficou bom, aí a sensação final é uma grande salada com o conceito geral ruim.

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<

Share:

0 comentários