POISON BOOKS || Raio de Sol (Kim Holden)

Autor: Kim Holden
Tradutor: Regiane Winarski
Editora: Planeta
Série: Não
Temas: Jovem-Adulto, Relacionamento, Comportamento,
SINOPSE: Segredos.
Todo mundo tem um.
Alguns são maiores que os outros.
Alguns, quando revelados,
Podem curar você...
E outros podem acabar com você.
Faça épico, costuma dizer Kate Sedgwick quando quer estimular alguém a dar o melhor de si. Nascida numa família-problema, com direito a mortes e abandono, a garota de dezenove anos sempre buscou fazer a diferença. Em vez de passar os dias lamentando os infortúnios da vida, como tantos fariam em seu lugar, sempre vê as coisas pelo lado positivo não é por outro motivo que Gus, seu melhor amigo, a chama de Raio de Sol.
E é por isso que, quando passa na faculdade e se muda da ensolarada San Diego, na Califórnia, para a fria cidade de Grant, em Minnesota, ela leva consigo apenas boas lembranças e perspectivas. O que ela não espera é que será surpreendida pelo amor único aspecto da vida em relação ao qual nunca quis ser otimista ao conhecer Keller Banks, um rapaz que parece corresponder aos seus sentimentos. Acontece que tanto ele quanto ela têm um segredo. E segredos, às vezes, podem mudar tudo.

>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“– E aí, bunda mole?”

RESENHA<<<
Então eu li alguns capítulos e comecei a pensar – ‘Onde é que isto vai parar?’A premissa era boa: Menina perfeita que sempre vê tudo pelo lado bom, e ajuda a todos ao seu redor. Sério, eu não lembro de ser tão “positiva” aos 19 anos de idade. Há tanto drama aqui: morte, segredos, doenças. Mas eu não chorei. Nem uma única lágrima. O livro, para mim, foi muito clichê.

Obviamente eu entendo o porquê de todos adorarem este livro, ele lembra muitos os livros da Jojo Moyes, há uma grande mensagem sobre positividade e o quanto se deve aproveitar a vida mesmo que ela insista em nos derrubar. Eu até gostei da mensagem, mas a forma como foi transmitida foi muito típica e não original.

A protagonista Kate é apelidada de Raio de Sol por seu melhor amigo Gus, porque ela passou por muita coisa na sua vida, mas ela nunca se deixou abater. Ela é um farol de luz constante para Gus, e todos os amigos que ela faz quando ela vai para a Faculdade em Minnesota. Ela ajuda cada um de seus amigos, de alguma forma, e todos eles pensam que ela é perfeita, incrível. Ela é sempre a melhor amiga de cada um deles. Ninguém é tão perfeito o tempo todo, sabe? Ela tem um amigo gay, um companheiro de quarto sacana, um amigo descolado e um novo interesse amoroso (insta-amor).

Ela era engraçada? Sim, mas eu não conseguia entender o porquê do “sou feliz 24 horas por dia”. Sem ressentimentos!  A questão é que é difícil acreditar em alguém que já passou por tantos traumas e saiu alegre disso. E ainda tem o mocinho! Mais Drama! Eu me pergunto como tanta desgraça pode acontecer com pessoas tão jovens?

Duas coisas positivas que posso dizer a respeito dessa leitura é que alguns diálogos entre os personagens foram interessantes, geralmente eram os que a protagonista participava pouco (desculpem!) e ambientação da história, a descrição do lugar e com as coisas do cotidiano me agradaram.

A escrita era medíocre, as relações entre os personagens foram rasas apesar da profundidade dos problemas, e eu revirei os olhos muitas vezes. Inclusive, eu não sei se foi um problema de tradução, mas haviam tantas palavras “estranhas” e repetidas, não sei quantas vezes a palavra “cara” foi repetida nesse livro.

Eu começo a imaginar que eu não tenho mais paciência para esse tipo de literatura, talvez eu deva realmente para de ler livros assim. Eu recomendaria essa leitura para quem gosta de NA com muito drama e histórias de superação.

Quem é Éme?

Bibliotecária, escorpiana, metódica, booksniffer, Moningmaniac, leio coisas que ninguém lê, além de ter um fraco por leituras bobas. Sou chata e não me indiquem livros modinhas eu não lerei! Venenos no @emeraudelima

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<

Share:

0 comentários