BOOKS || Um Tom Mais Escuro de Magia (V. E. Shwab)

Autor: V. E. Schwab
Tradutor: Ana Carolina Delmas
Editora: Record
Série: Sim, livro 1 (série Magia)
Temas: Jovem-Adulto, Magia, Viagens, Realeza
Kell é um dos últimos Viajantes — magos com uma habilidade rara e cobiçada de viajar entre universos paralelos conectados por uma cidade mágica. Existe a Londres Cinza, suja e enfadonha, sem magia alguma e com um rei louco — George III. A Londres Vermelha, onde vida e magia são reverenciadas, e onde Kell foi criado ao lado de Rhy Maresh, o boêmio herdeiro de um império próspero. A Londres Branca: um lugar onde se luta para controlar a magia, e onde a magia reage, drenando a cidade até os ossos. E era uma vez... a Londres Negra. Mas ninguém mais fala sobre ela. Oficialmente, Kell é o Viajante Vermelho, embaixador do império Maresh, encarregado das correspondências mensais entre a realeza de cada Londres. Extra-oficialmente, Kell é um contrabandista, atendendo pessoas dispostas a pagar por mínimos vislumbres de um mundo que nunca verão. É um hobby desafiador com consequências perigosas que Kell agora conhecerá de perto. Fugindo para a Londres Cinza, Kell esbarra com Delilah Bard, uma ladra com grandes aspirações. Primeiro ela o assalta, depois o salva de um inimigo mortal e finalmente obriga Kell a levá-la para outro mundo a fim de experimentar uma aventura de verdade. Magia perigosa está à solta e a traição espreita em cada esquina. Para salvar todos os mundos, Kell e Lila primeiro precisam permanecer vivos.
>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Kell trajava um casaco muito peculiar.”

RESENHA<<<
De vez enquanto a gente se depara com algo novo e fica totalmente surpreendido e alucinado pela ideia da autora e mal consegue absorver os fatos. E este livro foi assim. Um livro denso, bem trabalhado, com aquela pitada de magia e aventura que curtimos, mas que foge ao básico ao qual estamos acostumados.

A ideia principal é entender as quatro Londres e como funciona a magia e os reinos entre elas, e sendo sincera essa é a parte mais complicada. Leva algum tempo até sacar toda a estrutura que a autora criou para manter isso. Como é exatamente cada um desses lugares, o que possuem de diferente e de comum e como eles funcionam juntos e separados. Por isso, a maior dica aqui é insistir um pouquinho, depois que a ficha cair, tudo vai fluir muito melhor.

Os personagens são um caso a parte, durante a maior parte do tempo, temos Kell, até então alguém meio sem eira nem beira que terá grande importância na história, ele é um personagem complexo, com muitos altos e baixos, mas foi fielmente retratado, suas emoções, lutas e vitórias são reais e isso nos aproxima e muito do rapaz durante sua trajetória.

Já Lila é alguém que eu amei e odiei, no início meio arrogante e sem graça, ganha vida, força e mostra que realmente quando a gente quer podemos fazer praticamente tudo, a máxima do querer é poder tem muito a ver com ela. Outra boa personagem que evolui e muito durante todo desenrolar da história.

O enredo é bem trabalho e denso, não é daqueles livros fáceis de ler e relativamente bobos, talvez por isso que a narrativa seja mais cansativa e pesada. Teve momentos difíceis durante a leitura, e um deles com certeza é o entendimento de como esses quatro mundos funcionam, mas aos poucos a história começa a ganhar mais ritmo e intensidade e aí a leitura flui.

Felizmente (ou infelizmente?) é uma série. O que foi uma surpresa boa, já que apesar de ter um fim, a gente sente falta de algumas pequenas perguntas que foram feitas, mas não respondidas. Serão três livros e pode se preparar que teremos mais magia e aventura vindo por aí.


Share:

0 comentários