POISON BOOKS || Cress (Marissa Meyer)

Em 10 setembro 2016
Autor: Marissa Meyer
Tradutor: Regiane Winarski
Editora: Rocco
Série: Sim, livro 3 (série Crônicas Lunares)
Temas: Jovem-Adulto, Distopia, Releituras, Comportamento
SINOPSE: Neste terceiro livro da série Crônicas Lunares, Cinder e o capitão Thorne estão foragidos e agora levam Scarlet e Lobo a reboque. Juntos, eles planejam derrubar a rainha Levana e seu exército. Cress talvez possa ajudá-los. A garota vive aprisionada em um satélite desde a infância, com a companhia apenas de telas, o que fez dela uma excelente hacker. Coincidência ou não, infelizmente ela também acabou de receber ordens de Levana para rastrear Cinder e seu bonito cúmplice. Quando um ousado plano de resgatar Cress dá errado, o grupo se separa. Cress enfim conquista a liberdade, mas o preço a se pagar é alto. Enquanto isso, Levana não vai deixar que nada impeça seu casamento com o imperador Kai. Cress, Scarlet e Cinder talvez não tenham a intenção de salvar o mundo, mas muito possivelmente são a última esperança do planeta.

>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“O satélite fazia uma órbita completa ao redor do planeta Terra a cada dezesseis horas.” 

RESENHA<<<
Terceiro livro da série ‘Crônica Lunares’, para conhecer os anteriores, clique:

Chegamos em ‘Cress’ com a história de Rapunzel, uma lunar que vive numa estação entre a Terra e Luna e acompanha fielmente as aventuras de Cinder e sua turma, além do desenrolar que acontece na Terra, depois de toda a situação que apareceu no livro um e sua consequência no livro dois.

Confesso que foi difícil se lembrar de algumas partes da história, os livros saíram com muita distância entre eles e cada vez que novos personagens chegam ou há um novo rumo na história, a chance de esquecer algo ou se perder em algum detalhe aumenta ainda mais.

Mas Cinder está mais ativa e forte, está deixando de ser a menina boba do livro um e ganhando ares de ‘vou mudar o mundo’ e isso me agrada bastante ver a evolução da personagem, já a Cress é a típica menina ingênua, não que ela seja alguém descartável, mas tem momentos Poliana demais nela. Mas em outros casos, ela é uma fofa, talvez seja por ter sido criado sozinha na estação, fique aquela sensação de ‘como será ter amigos? Pessoas para conversar? Pessoas para viver a vida?’

Iko, a nave/robô é um personagem figura e amando cada vez mais, são bons momentos e diálogos sempre que este personagem está presente. Há revelações e boas explicações para outros personagens, então não entrarei muito em detalhes para evitar spoiler.

Falando nele, tem uma boa parte que se passa em Luna, mas também há mais explicações sobre Luna e quem são os lunares. Nos dois primeiros livros, as coisas ficaram meio a desejar, mas aqui, curti como as coisas foram desenrolando, as experiências feitas, a forma de governar. Mostrando que Luna é complexo, interessante e podemos esperar muito coisa deles (coisas malvadas).

O ponto forte ficou com o bom ritmo e a história ágil, mostrando algumas partes diferentes, já que nossos personagens em determinado momento se dividem e apesar da dor no coração por alguns, é bom acompanhar múltiplas visões e conhecer um pouco mais de cada parte dos acontecimentos.

Espero um desenrolar digno de grandes finais e torço para que continue na pegada ação, informação e bom enredo. É uma série para os fãs de releituras, distopia e uma pitada de outros povos.

Continua em: Winter

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<