POISON BOOKS || Meio Rei (Joe Abercrombie)

Autor: Joe Abercrombie
Tradutor: Alves Calado
Editora: Arqueiro
Série: Sim, livro 1 (série Mar Despedaçado)
Temas: Jovem-Adulto, Reinos, Aventura, Vikings
SINOPSE: Jurei vingar a morte do meu pai. Posso até ser meio homem, mas sou capaz de fazer um juramento por inteiro.
Filho caçula do rei Uthrik, Yarvi nasceu com a mão deformada e sempre foi considerado fraco pela família. Num mundo em que as leis são ditadas por pessoas de braço forte e coração frio, ser incapaz de brandir uma espada ou portar um escudo é o pior defeito de um homem.
Mas o que falta a Yarvi em força física lhe sobra em inteligência. Por isso ele estuda para ser ministro e, pelo resto da vida, curar e aconselhar. Ou pelo menos era o que ele pensava.
Certa noite, o jovem recebe a notícia de que o pai e o irmão mais velho foram assassinados e não lhe resta escolha a não ser assumir o trono. De uma hora para outra, ele precisa endurecer para vingar as duas mortes. E logo sua jornada o lança numa saga de crueldade e amargura, traição e cinismo, em que as decisões de Yarvi determinarão o destino do reino e de todo o povo.

>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Soprava um vento forte na noite em que Yarvi descobriu que era rei.”

RESENHA<<<
Tive um relacionamento de amor e ódio com o livro em questão, até quase a página 100, a história simplesmente não andava, era chata, arrastada e não conseguia enxergar a tal aventura/fantasia que havia lido na sinopse, parecia a quilômetros de distância.

A partir da página, a história melhora, mas não da água para o vinho e sim pelo fato de ela parece entrar em algum tipo de eixo. Ela não fica maravilhosa, mas algo nela muda e me faz prestar mais atenção em seus detalhes.

A primeira parte da história é muito descritiva, detalhes, páginas e informações em excesso para o leitor que mal chegou ao mundo que Abercrombie nos apresenta, e o pior, sua forma de nos apresentar não nos agarra logo, ele nos deixa com um pé atrás. Não sei se todas as suas histórias são apresentadas dessa maneira, mas caso você esteja sofrendo desse mal, achando tudo meio chato e parado, direi – insita!

Depois a história ganha um bom ritmo de leitura, as descrições diminuem, a aventura começa e a narrativa começa a fluir de forma mais intensa e interessante. A reviravolta em alguns acontecimentos com certeza influenciou nessa virada. A única coisa que digo é: parece um outro livro. Você começa a sentir parte daquilo.

O final foi o ponto que mais me motivou para querer espiar o próximo livro da série, já que não morri de amores no início e apenas curti o desenrolar da história, mas pelo final não ter sido algo exatamente óbvio e abriu possibilidades para novas intrigas e situações, resolvi apostar.

Para quem curte a ideia de guerreiros vikings, lutas de espadas, mar agitado e não saber nunca aonde iremos chegar, é uma boa pedida. Esteja preparado para esses primeiros percalços, mas depois de alguns atritos a história vai andar e talvez você possa se surpreender mais do que eu.

A nota do mesmo está classificada entre Suave e Tóxico, mas como não temos notas quebradas no Poison, classifiquei como Tóxico.

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<

Share:

0 comentários