BOOKS || Enquanto Bela Dormia (Elizabeth Blackwell)

Autor: Elizabeth Blackwell
Tradutor: Vera Ribeiro
Editora: Arqueiro
Série: Não
Temas: Jovem-Adulto, Reinos, Releitura
Nos salões de um castelo, uma confidente leal guardou por muitos anos os segredos de uma rainha linda e melancólica, uma princesa que só queria ser livre e uma mulher que sonhava com a coroa. Esta é sua história.
Ambientada em meio ao luxo e às agruras de um reino medieval, esta releitura de A Bela Adormecida consegue ser fiel ao clássico ao mesmo tempo que constrói uma narrativa recheada de elementos contemporâneos. Nessa mescla, os dramas de seus personagens – um casal infértil, uma jovem que não aceita viver em uma redoma e uma família despedaçada pela inveja – tornam-se atemporais.
Quando a rainha Lenore não consegue engravidar, recorre aos supostos poderes mágicos da tia do rei, Millicent. Com sua ajuda, nasce Rosa, uma menina linda e saudável. No entanto, a alegria logo dá lugar às sombras: o rei expulsa de suas terras a tia arrogante, que então jura se vingar. Seu ódio se torna a maldição que ameaça a vida de Rosa. Assim, a menina cresce presa entre os muros do castelo, cercada dos cuidados dos pais e de Flora, a tia bondosa e dedicada do rei que encarna a fada boa do conto original.
Mas quando todas as tentativas de proteger Rosa falham, é Elise, a dama de companhia e confidente da princesa, sua única chance de se manter viva. E é pelos olhos dessa narradora improvável que conhecemos todos os personagens, nos surpreendemos com o destino de cada um e descobrimos que, quando se guia pelo amor – a magia mais poderosa do mundo –, qualquer pessoa é capaz de criar o próprio final feliz.
>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Ela já se tornou lenda.”

RESENHA<<<
Muitos leitores do blog ficam me pedindo livros únicos e confesso ter certa dificuldade em achá-los, não porque não os curta, mas que praticamente hoje em dia tudo é série e as vezes, até livros que eu penso serem únicos me surpreendem nos capítulos finais virando uma duologia ou trilogia ou seguindo para o infinito e além das séries da vida.

O livro de hoje é único (até agora, segundo informações, mas nunca se sabe, vai que a autora resolve criar algo depois de algum tempo?!) e é uma releitura do conto ‘A Bela Adormecida’, que sendo bem sincera, acho que a releitura do conto passou bem longe do que foi apresentado.

Nada contra releituras, antes que venham criticando qualquer coisa, eu curto bastante, sempre penso no que o autor trará de diferente para releitura, qual o detalhe extra ou inventado, o algo a mais ou o que será retirado e mexido de lugar ou posição, mas o erro aqui, talvez tenha sido esperar uma releitura de algo, porque o foco da história todo foi a serviçal da princesa e não a própria Bela.

A protagonista é uma menina do campo que vai tentar a vida no castelo e começa a subir de posto, chegando a cuidar da família real. O livro mostra a hierarquia dos serviçais, como as coisas funcionavam na época e o anseios e desejos desta menina. Ela é a protagonista e não a família real. E isto foi o grande balde de água fria para mim. Não que eu não pudesse ler coisas sobre uma serviçal, mas minha expectativa era a releitura da Bela Adormecida.

A narrativa é cansativa em alguns momentos, um excesso de explicação e mínimos detalhes que poderiam ser retirados ou simplificados, e tinha momentos que o ritmo custava a pegar/ engrenar, nem todos os assuntos eram chatos ou mesmo capítulos, mas quando chato surgia, eram páginas e páginas em ritmo lento de leitura até algo legal/diferente/interessante surgir novamente.

Vemos os outros personagens de uma maneira bem simplista, afinal a visão da menina acaba sendo dos personagens mais próximos dela, mesmo o rei e a rainha, e depois a filha deles, aparecendo, ela não era uma amiga, uma moça da sociedade, ela ainda era uma serviçal e recebia ordens e sabia das coisas que lhe eram contadas. Então a gente só pode avaliar mesmo o ‘par’? românico dela.

E sendo bem sincera, achei que dentro de tudo que foi apresentado, e como ela mesma escolhe certas coisas, achei apropriado as atitudes dele. As vezes amar uma pessoa é assim, a gente precisa deixa-la ir, ou assumir consequências desastrosas. E com isso a vida da menina não é exatamente um mar de rosas.

A parte ousada, a releitura, de certa forma foi diferente do que achei que seria, teve uns momentos que achei que pudesse rolar uma pitada de terror, ao estilo irmãos Grimm e não o floreado da Disney, mas não temos nenhum e nem o outro. Ela criou algo próprio.

Ao final da leitura não me senti empolgada ou maravilhosa com o livro, achei ‘meio’ enganador, um tanto chato, umas reviravoltas que não precisavam – talvez ela tenha criado isso para desfazer algumas situações que apareceram no livro. Porém, isso acabou me desmotivando ainda mais. Foi como uma espécie de segunda chance para ter um ‘final feliz’.

E o final foi bem fraquinho depois de tantos acontecidos. Sinceramente? Esperava bem mais.

Share:

0 comentários