POISON BOOKS - Alice no País das Armadilhas (Mainak Dhar)

Em 11 dezembro 2015
Autor: Mainak Dhar
Tradutor:
Editora: Única
Série: Sim, livros 1 (série Alice no País das Aramadilhas)
Temas: Jovem-Adulto, Distopia, Zumbis, Guerras, Releituras
SINOPSE: O planeta Terra foi devastado por um ataque nuclear, e boa parte de sua população se transformou em Mordedores, mortos-vivos que se alimentam de sangue e, com sua mordida, fazem dos humanos seres como eles.
Alice é uma jovem humana de 15 anos que mora no País das Armadilhas, nos arredores da cidade que um dia foi Nova Déli, na Índia. Ela nasceu nessa nova realidade aterrorizante e teve de aprender a se defender sozinha desde cedo.
As coisas mudam quando Alice decide seguir um Mordedor por um buraco no chão: ela descobre a estarrecedora verdade por trás da origem das criaturas e se dá conta da profecia que ela mesma está destinada a consumar — uma profecia que se baseia nos restos chamuscados do último livro encontrado no País das Armadilhas, uma obra chamada Alice no País das Maravilhas .
Uma mistura incomum de mitos, teorias conspiratórias e Lewis Caroll, Alice no País das Armadilhas pode parecer mais uma história de zumbi, mas é uma metáfora instigante de como tendemos a demonizar aquilo que não compreendemos.

>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Alice estava começando a ficar muito cansada de continuar ali sentada, ao lado da irmã, na colina, sem ter nenhum Mordedor em quem atirar.”

RESENHA<<<
Mais uma série que começa aqui no blog e para os fãs de distopia e zumbis, temos um prato cheio. Afinal, a série mistura uma releitura do clássico Alice, um caos básico no futuro onde todas as potencias irão se matar e uma nova raça, ao estilo zumbi surge.

Bom, a ideia apesar de ser doida, tem seus créditos, mas o que pecou o foi excesso das mesmas informações. Já que as explicações de muitas coisas foram introduzidas logo no início do livro, o que não é comum neste tipo de gênero.

Eu curti as informações terem sido reveladas no início, foi um diferencial, e na verdade depois disso a história ficou meio dividida, porque outras pessoas também contavam seus pontos de vista e isso nos fazia perguntar quem de fato estava com a razão, ou se todos estavam mentindo e tudo era fake.

O problema é que depois que as coisas foram contadas, a enrolação começou. Eram páginas e páginas das mesmas explicações. A impressão é que o ritmo um tanto frenético antes, caiu e isso fez com que meu ritmo de leitura tivesse caído também, já que antes estava lendo muitos capítulos por dia, depois que a enrolação começou, só conseguia terminar 1, no máximo 2, pois a impressão que dava era que sempre estava lendo a mesma coisa eternamente.

Já a nossa Alice também sofreu um pouco com a enrolação. Já que ela que praticamente ‘descobre’ tudo e faz a ligação entre o que ela sabia, ou sempre contaram para ela, como a suposta verdade. Mas vale a mesma coisa da narrativa. No início, ela é ágil e esperta, mas depois ela meio que trava. Não que ela se torne boba ou algo assim, mas como a narrativa caiu, as ações da personagem também caíram e ela fica mais tempo arquitetando as coisas junto com sua família e aliados, do que de fato na ação como antes.

Não sei o que imaginar para os próximos livros, já que a série será uma trilogia. Acredito que a briga entre o que de fato aconteceu e quem lucrou com isso vai continuar, visto que a grande briga da série é essa, mas espero que a narrativa melhore.

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<