POISON BOOKS - A Vingança de Mara Dyer (Michelle Hodkin)

Autor: Michelle Hodkin
Tradutor: Glenda D’Oliveira
Editora: Galera Record
Série: Sim, livros 3 (série Mara Dyer)
Temas: Jovem-Adulto, Mistério, Suspense
SINOPSE: A série mescla paranormalidade, conspiração e romance para contar a história de uma adolescente com poderes especiais. Elogiada pelas autoras das séries Divergente e Instrumentos Mortais, Michelle Hodkin cria aqui uma trama surpreendente, onde nada é o que parece. Depois de descobrir que consegue matar apenas com o pensamento, assim como seu namorado é capaz de curar com a mesma facilidade, Mara Dyer é capturada por uma inescrupulosa médica, que a faz passar por uma série de testes e experimentos. Mas Mara não está sozinha. Outros jovens com poderes igualmente extraordinários são usados como cobaia. Com a ajuda deles, e de um velho inimigo, ela consegue fugir e parte em busca de vingança.


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“O exame de Mara Dyer ocorreu em [editado], no Centro de Tratamento Residencial do Horizontes.”

RESENHA<<<
E chagamos ao final de mais uma série aqui no blog. Para saber mais dos livros anteriores da série MARA DYER, clique:

Confesso que esperava um final bombástico, algo surreal e que a explicação do mistério que sempre me deixava com a pulga atrás da orelha a cada livro era, será que a Mara é doida varrida ou de fato isso aconteceu mesmo e sei lá, ela não consegue colocar em palavras porque é algo raro ou qualquer coisa assim? Durante os livros 1 e 2, isso sempre me deixou intrigada. A autora tinha conseguido fazer esse mistério se manter por praticamente dois livros e nos deixar doidos pela resposta.

Mas a finalização ficou bem a desejar. Logo no início do último livro as respostas são jogadas. Meio como se a autora dissesse; ‘Hey, vem cá, deixa eu te contar tudo que eu imaginei para essa história e a verdade sobre o tal mistério.’ Sim, fiquei decepcionada. É ruim ler um livro inteiro já sabendo os porquês das coisas. O livro realmente seguiu a linha do título: vingança. É só isso que realmente ela faz, ir atrás das pessoas, atropelando coisas e pegando os últimos links que faltavam do começo do livro.

Não foi um bom final, as coisas foram jogadas, o interesse ficou apagado e o excesso de informação sobre o problema da Mara deixou a leitura sem graça. Se eu já sei o fim, porque devo ler?

Acredito que se a autora não tivesse jogado as coisas logo no começo, minha experiência com essa série teria sido diferente. É claro que por ser o último livro, em algum momento a autora teria que revelar as coisas, mas assim de cara e num livro que tem mais de 400 páginas? É desestimulante e meio que faz pouco caso do leitor. Principalmente porque os anteriores foram bons.

Ultimamente tem sido difícil ver uma série começar e terminar bem, geralmente ou ela começa bem e termina mal ou ela se mantém neutra durante todos os livros, ou em raros casos, começa mal, mas termina bem. Talvez seja o excesso de livros em séries, acredito que depois de um tempo as conexões e ideias da história geral e original acabem se perdendo (o que acredito que tenha sido o caso aqui) e com isso, quem perde é o leitor.

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<

Share:

0 comentários