POISON BOOKS - A Espada do Verão (Rick Riordan)

Em 02 novembro 2015
Autor: Rick Riordan
Tradutor: Regiane Winarski
Editora: Intrínseca
Série: Sim, livro 1 (série Magnus Chase e os Deuses de Asgard)
Temas: Jovem-Adulto, Mitologia, Aventura
SINOPSE: Às vezes é necessário morrer para começar uma nova vida...
A vida de Magnus Chase nunca foi fácil. Desde a morte da mãe em um acidente misterioso, ele tem vivido nas ruas de Boston, lutando para sobreviver e ficar fora das vistas de policiais e assistentes sociais. Até que um dia ele reencontra tio Randolph - um homem que ele mal conhece e de quem a mãe o mandara manter distância. Randolph é perigoso, mas revela um segredo improvável: Magnus é filho de um deus nórdico.
As lendas vikings são reais. Os deuses de Asgard estão se preparando para a guerra. Trolls, gigantes e outros monstros horripilantes estão se unindo para o Ragnarök, o Juízo Final. Para impedir o fim do mundo Magnus deve ir em uma importante jornada até encontrar uma poderosa arma perdida há mais de mil anos. A espada do verão é o primeiro livro de Magnus Chase e os deuses de Asgard, a nova trilogia de Rick Riordan, agora sobre mitologia nórdica.

>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“É, eu sei.”

RESENHA<<<
Tio Rick trouxe uma mitologia que todos nós estávamos morrendo para ler, apesar de saber que já tivemos outros livros tratando de mitologia nórdica, clique aqui e aqui para conhecer. Rick é sempre aguardado e festejado quando lança alguma coisa nesse sentido e aqui não foi diferente, porém, após começar a ler muitas coisas dele, começo a achar que ele anda fazendo muito crtl C + crtl V em suas histórias e personagens.

O protagonista ser a cara do Kurt foi legal e engraçado, até porque acho que foi um dos poucos personagens dele que ele realmente trouxe uma ‘cara real’, quando um autor fala quem é seu ‘muso’ inspirador, nós pobres mortais começamos a ter uma imaginação coletiva parecida, mas por outro lado, esse jeito insolente estilo Percy Jackson, foi repetitivo e muitas vezes vi mais o Percy do que o novo protagonista (vale lembrar que livros com Percy são quase 10, já que tem a série Percy Jackson e a Heróis do Olimpo, onde ele não é o protagonista, mas aparece bastante).

Um fator positivo foi ele ter comentado de outros deuses da mitologia nórdica, assim como a grega e a egípcia, todo mundo sabe mesmo os nomes mais comuns, então o mundo criado por ele representando os nove mundos, a árvore que liga todos eles e como essas informações são apresentadas aos personagens foi legal, mas meio parecida com o que aconteceu em Percy e nos Kanes, ou seja, ele mexe em algumas coisas mas se mantem muito nas mesmas ideias.

Talvez o que tenha mais me surpreendido mesmo foi a ligação entre as séries, afinal quando li que o personagem teria o sobrenome Chase, fiquei me perguntando se seria alguém com algum parentesco com a Annabeth ou seria algo novo e por coincidência teria o mesmo sobrenome, esse link foi bacana e espero muito que ele explore mais isso nos próximos livros. Aqui a gente conhece a ideia geral da história, mas fica e muito a desejar sobre as origens e a ligação da família com mitologias em geral.

Sem querer dar spoiler, mas fazendo comparações com os outros livros já escritos por ele, segue-se a mesma ideia, a descoberta, algo precisa ser resgatado e tem-se o conhecimento que se faz parte do mundo dos deuses. Nesse ponto que andei achando ruim, pois não teve novidade. O autor fez uma formula e agora replica para tudo que escreve, meu medo é que os próximos sejam tão crtl C + crtl V que passe a perder a graça.

Irei continuar a ler a série, mas espero que ele mude radicalmente os rumos da coisa, assim sai do lugar-comum que ele já fez nos outros livros e parta para algo único e original.

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<