POISON BOOKS - O Dragão Renascido (Robert Jordan)

Autor: Robert Jordan
Tradutor: Mariana Serpa Vollmer
Editora: Intrínseca
Série: Sim, livro 3 (série A Roda do Tempo)
Temas: Adulto, Aventura, Magia
SINOPSE: As profecias do Dragão predizem que a Pedra de Tear, a lendária fortaleza, cairá quando Callandor, A Espada Que Não Pode Ser Tocada, for empunhada pelo Dragão. Será um dos sinais de que ele de fato renasceu e que a Última Batalha se aproxima. Rand alThor, recém-proclamado Dragão Renascido, ainda tem dúvidas sobre seu destino, e decide que é hora de partir sozinho em sua jornada.
Enquanto isso, Nynaeve, Egwene e Elayne seguem para Tar Valon, onde Mat precisa ser Curado ou morrerá. Entretanto, com a presença da Ajah Negra na Torre Branca, as jovens logo descobrem que suas próprias vidas correm perigo. Perrin, por sua vez, acompanha Moiraine na busca por Rand. Todos os caminhos parecem levar a Tear, onde o Dragão Renascido enfrentará um desafio que pode pôr tudo a perder.


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Os velhos olhos de Pedron Niall examinaram sua sala de audiências particular, mas aqueles olhos escuros, enevoados por pensamentos, não viram coisa alguma.”

RESENHA<<<
E chegamos ao terceiro livro desta série, quer conhecer os anteriores? Clique:

Eu não sei o que anda acontecendo com essa série, que começou fantástica, mas tem caído de nível a cada livro. Penso agora como encarar os próximos 11 livros por vir, sim a série é enorme, são 14, pelo menos até agora e nós ainda estamos no terceiro aqui no país.

Os livros são enormes, as histórias interessantes, porém, o autor andou se perdendo e transformado tudo em páginas e mais páginas com enrolação e personagens que antes eram cativantes em pessoinhas chatas e tediosas.

Enquanto todos os personagens estavam juntos, a história fluiu muito bem, ela era intensa, louca, cheia de expectativas e a gente estava apaixonado por cada detalhe que nos era mostrado. O mundo criado pelo autor é enorme, tão rico e intenso e cheio de histórias, lendas e pessoas/criaturas diferentes, mas desde que se formou grupos, as coisas saíram dos eixos.

As meninas têm um grupo próprio agora, entendo que elas já passaram por muitas coisas, mas meu Deus, como elas são chatas. Suas partes na história são sempre lenga-lenga e delírios loucos de meninas mimadas. As aventureiras, aquelas moças que começaram a ganhar o mundo no primeiro livro, morreram e foram substituídas por louquinhas que brincam com o poder, mas não nos traz nada de legal ou diferente. Parece que não importante aonde elas estão, sempre leio a mesma coisa.

Já os outros dois grupos, até tem um certo interesse, são mais bem descritos que as meninas e em alguns momentos trazem mais informações que elas, mas é sempre muito repetitivo. Eles saem de algum lugar por N motivos, caminham, rolam brigam, chegam em algum canto, tem um bafafá qualquer e põem o pé na estrada novamente. A sensação é que não saem nunca do lugar.

A narrativa sempre tinha sido meio pesada, um pouco arrastada porque no meio da aventura, era necessário inserir as informações dos lugares ou pessoas, visto que os protagonistas nunca haviam saído da pequena cidade no fim do mundo. Mas aos poucos, esse arrastar e as constantes repetições nos fazem seguir lentamente e algumas vezes quase pensamos em desistir.

Fico pensando como será daqui para frente, teremos quase 1000 páginas em todos os livros? Porque depois de ler 3 livros da série, começo a perceber que não há motivos além da enrolação que nos é mostrada. Estou com saudades das emoções e ações do primeiro livro, assim, quem sabe eu não consiga me apaixonar novamente pela história.

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<

Share:

0 comentários