BOOKS || King of Thorns (Mark Lawrence)

Autor: Mark Lawrence
Tradutor: Dalton Caldas
Editora: Darkside
Série: Sim, livro 2 (trilogia dos Espinhos)
Temas: Jovem-Adulto, Magia, Reinos, Guerras
A terra arde com o fogo de centenas de batalhas enquanto lords e pequenos reis lutam pelo Broken Empire. O longo caminho para vingar o massacre de sua mãe e irmão mostrou para o Príncipe Honorous Jorg Ancrath os atores por detrás dessa guerra sem fim. Ele viu o jogo e se comprometeu a varrer o tabuleiro. Primeiro, entretanto, ele deve reunir suas próprias peças, aprender as regras do jogo, e descobrir como rompe-las.



>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Encontrei estas páginas espalhadas, amarrotadas contra as rochas por um vento oscilante.”

RESENHA<<<
Livro dois da série ‘Trilogia dos Espinhos’, para venenos sobre o anterior, clique:

Durante a leitura do primeiro livro, muitas pessoas me questionaram que não estavam se empolgando com a leitura do mesmo, que a narrativa e a própria história não estava despertando a atenção e/ou curiosidade e sempre pedia para insistir. Já nessa sequência, simplesmente não sei o que aconteceu, pois, uma série que tinha gostado, achei um P.O.R.R.E e fiz muita força para chegar até o final.

O principal motivo foi o estilo de narração, enquanto no primeiro livro, era em ordem cronológica, neste segundo o autor intercala o presente com acontecimentos de quatro anos antes (que seria exatamente a continuação do anterior) e isso foi muito chato para mim, principalmente que a quantidade de capítulos que narravam os fatos de quatro anos atrás eram muito maiores do que os do presente e só servia para confundir, visto a quantidade de personagens apresentada neste livro, sinceramente não me ajudou e só deixava mais cansativo ficar trocando.

As revelações e surpresas que deveriam ser mostradas para nós dessa forma, acabaram para mim não surtindo o efeito desejado. Acredito que se a narrativa tivesse sido na ordem direta, ou seja, contando exatamente como foi que Jorg continuou seus passos depois dos acontecimentos e situações do livro anterior e aos poucos fosse mostrando sua evolução, seria bem mais interessante.

A história perdeu um pouco do foco. Antes a gente sabia exatamente onde e o quê o protagonista queria, mas aqui, as alternativas começaram a se abrir e ficou um pouco confuso e até desorientado de certa forma. Existe sim um objetivo geral que vem desde o primeiro livro, mas ele ficou em segundo plano, visto que outros assuntos apareceram, alguns eram interessantes e deixava o livro mais ágil, mas outras situações eram chatas e só servia para eu ter certeza de que deveria abandonar a leitura.

As características interessantes que observei do personagem no livro anterior se transformaram em algo mimado neste livro, a sensação que me passou é: o protagonista pode fazer tudo porque não irei mata-lo, algumas lutas eram muito surreais para alguém pensar que poderia ganhar, ficou com cara de falso e forçado.

Ainda não sei o que pensar sobre o último livro da série. Ao mesmo tempo que o mundo criado pelo autor me desperta certa curiosidade, este segundo livro apagou qualquer vontade que eu tenha de continuar a série. Foi cansativo de ler e muito enfadonho. Vamos descansar a mente e ver o que o futuro reserva.

Share:

0 comentários