POISON BOOKS - Brilhantes (Marcus Sakey)

Autor: Marcus Sakey
Tradutor: André Gordirro
Editora: Galera Record
Série: Sim, livro 1 (série Brilhantes)
Temas: Adulto, Ação, Suspense,
SINOPSE: A partir de 1980, um por cento das crianças começou a apresentar sinais de inteligência avançada. Essa parcela da população, chamada de “brilhantes”, é vista com muita desconfiança pelo restante da humanidade, que teme a forma como esse dom será usado. Nick Cooper é um deles, um agente brilhante, treinado para identificar e capturar terroristas superdotados e levá-los para a custódia do governo. Seu último alvo está entre os mais perigosos que já enfrentou, um líder responsável pelo maior ataque terrorista dos últimos tempos e que pretende começar uma guerra civil. Mas para capturá-lo, Cooper precisa se infiltrar em seu mundo e ir contra a tudo o que acredita. Denominado pelo Chicago Sun-Times como o mestre do suspense moderno, Markus Sakey criou um universo ao mesmo tempo perturbador e incrivelmente semelhante ao nosso, onde um dom pode se tornar uma maldição. 


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“O apresentador de rádio disse que vinha uma guerra por aí, falou como se estivesse ansioso por ela, e Cooper, sentindo frio sem o casaco na noite do deserto, achou que o cara do rádio era um babaca.”

RESENHA<<<
Mais uma série chega até nós. Meu principal questionamento é porque saiu pela Galera, já que é um livro adulto, com ação e suspense, totalmente diferente da proposta do selo, por isso já aviso de antemão que não temos gente de 16 anos atuando em suas páginas e sim, adultos na faixa dos 20 e poucos anos.

Apesar de alguns momentos meio maçante, a narrativa e a história de Brilhantes merece um destaque, são mais de 400 páginas que contam com conspirações, um futuro alternativo bem na vibe ‘x-men’ e a eterna briga das forças armadas. Principalmente porque seu protagonista no início do livro/história é um soldado que segue ordens e não pensa além disso, mesmo que outras pessoas o digam que ele está errado. No final, nem ele mesmo sabe o que é.

Falar de agencias e brigas entre normais e anormais, como os superdotados são chamados tem algo clichê, e durante a leitura a gente percebe certas cosias, como a própria agencia ou o fato do terrorista número um não ser exatamente aquilo que contaram, sempre tem mais, muito mais. Para um leitor mais atento, isso é obvio a partir do início da segunda parte do livro, mas as respostas começam a chegar antes do livro terminar.

A narrativa tem muita ação e flui bem, claro que tem alguma enrolação e se isso tivesse sido retirado, meu Deus, o livro teria sido fantástico, mesmo eu percebendo alguns pontos. As reviravoltas, as ideias malucas e os personagens que aparecem ao longo da trama me ganharam e de certa forma compensa esses deslizes.

Cooper, nosso personagem principal começa meio no estilo babaca que se sente, mas aos poucos ele percebe que precisa baixar sua bola e ser mais legal para as coisas começarem a girar a seu favor. Os outros personagens, os mocinhos, vilões, os que mudam de lado e aqueles que a gente não sabe de que lado está, pelo menos tem mais livros vindo e poderemos descobrir, foram bem trabalhados e são interessantes. A gente quer conhecer mais deles e sentir que eles podem mais do que mostram.

O autor apesar de falar de algo que já tivemos por aqui, conseguiu ao inserir ação e suspense, algo diferente e isso faz com que a gente realmente entre na história, nunca dá para ler 10 páginas, o autor conseguiu te prender no mundo criado e queremos saber mais, saber como as coisas irão acontecer e o que será feito agora que a lambança está feita.

Tinha algum tempo que eu não conseguia ler um livro grande em pouco tempo, geralmente ou a história não me agradava ou a narrativa era maçante, mas aqui eu gostei do que li e torço para que o próximo não demore, assim não irei perder nada das teorias de conspiração que habitam o mundo de Brilhantes.

Este post faz parte da #SemanaGaleraRecord2015

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<

Share:

0 comentários