POISON BOOKS - Lobos de Loki (K.L. Armstrong & M.A. Marr)

Em 15 junho 2015
Autor:  K.L. Armstrong & M.A. Marr
Tradutor: Edmo Suassuna
Editora: Rocco
Série: Sim, livro 1 (As Crônicas de Blackwell)
Temas: Infantojuvenil, Mitologia, Aventura, Magia
SINOPSE - Aos 13 anos, Matt Thorsen, não dava muita importância ao fato de ser um dos descendentes de Thor, o deus do Trovão. Até porque, na pequena Blackwell, a maior parte da população é descendente de deuses. Mas, quando as runas revelam que o Ragnarok – uma batalha capaz de provocar o fim do mundo – está próximo, Matt se vê obrigado a cumprir um destino pelo qual ele não esperava e embarca numa incrível aventura para salvar o mundo, com a ajuda dos primos Fen e Laurie, descendentes do deus Loki. Repleto de ação, fantasia e reviravoltas, Lobos de Loki é um início arrasador para uma saga única. 


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Matt atravessou o centro de Blackwell com a bolsa de ginástica em uma das mãos e o casaco pendurado no ombro.”

RESENHA<<<
Como vocês escolhem o que querem ler? Pela sinopse? Pela capa? Ou pelos autores? Ultimamente, esta última opção é uma das que mais me agradam, se eu leio algo de um autor e curto (não preciso amar ou dar cinco estrelas), assim que sai coisa nova eu tento dar uma chance. E este livro apesar de ser uma outra faixa, geralmente as autoras escrevem para o público jovem-adulto, tem duas autoras que curto – Melissa Marr e Kelley Armstrong – no link vocês podem conferir alguns livros delas.

Lembra que andei reclamando que não tinha nada da mitologia nórdica? Agora está chovendo sobre o assunto, acho que só neste ano é o terceiro livro que leio com este tema. Ou seja, as coisas vêm em ondas aqui no país, se está na hora do ‘amigo bizarro’, chove de livros dessa temática e depois isso some.

O livro é bem infanto-juvenil mesmo, não é uma coisa ruim, mas esperava mais, mais aventura, mais informações e principalmente mais engajamento por parte dos personagens, até porque eles sabem que fazem parte da cultura dos deuses nórdicos, toda a história do Ragnarok. Talvez não tenham um conhecimento profundo, mas para alguém que sempre soube que ‘descendia’ dos deuses, eles agiram como se isso fosse coisa do outro mundo.

No quesito aventura, acho que foi aonde mais pecou, quando embarco nessa vibe infanto, quero praticamente rolar no chão e voltar a ser criança, mas em alguns momentos, sentia que os personagens estavam fora da idade deles, as vezes eram velhos demais e em outras situações muito mais novos do que a descrição dizia. Não me passou veracidade.

Ainda nessa parte aventura/enredo/história, fico me perguntando se realmente precisava de três livros para contar essa saga, este primeiro é bem cheio de enrolação, questionamentos as vezes sem fundamento, narrativa enrolada que em alguns momentos deu uma desanimada. A sensação que ele passa é que era uma grande introdução.

A animação só ficou por conta do final, tem um pequeno gancho para o próximo, afinal, perto do fim foi quando teve mais ação, aventura e algumas traições, me dando a ideia que talvez o próximo livro da série deixe de enrolação e realmente se foque na aventura que está descrita na sinopse.

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<