POISON BOOKS - Por Lugares Incríveis (Jennifer Niven)

Em 23 março 2015
Autor:  Jennifer Niven
Tradutor: Alessandra Esteche
Editora: Seguinte
Série: Não
Temas: Jovem-Adulto, Romance, Comportamento, Relacionamento
SINOPSE - Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.
Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.

>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Será que hoje é um bom dia para morrer?”

RESENHA<<<
Eis que chego ao final de um livro que foi super comentado na blogosfera e por tudo isso, esperava muito mais do que li. Esperei ser o ‘grande pote do arco-íris’, mas ele ficou a desejar nesse ponto. Rendeu uma boa leitura, porém não chegou nem perto de ter mexido comigo ou me feito pensar nele depois que fechava o livro como acontece com alguns.

Gosto de livros narrados por duas ou mais pessoas, acho bacana ver os dois lados da moeda praticamente ao mesmo tempo, é como um jogo de ping-pong e que se a gente algum detalhe, algo acontece, mas Violet e Finch me eram estranhos, algo me incomodou durante toda a leitura, e depois ao ler algumas resenhas, vi que as pessoas que não amaram o livro sentiam o mesmo – jovens adultizados, muitas vezes não sentia que os jovens ali retratados fossem realmente adolescente.

Não que os problemas enfrentados por eles não fossem reais, o bullying, o fingir, tentar se encaixar é algo que faz parte da maioria dos adolescentes e vários outros livros já tocaram no mesmo assunto, alguns com mais intensidades e destacando alguns detalhes do que outros. O problema é que as vezes sentia que tinha algo por trás, como uma bandeira que queria ser levantada, mas escapou na hora de finalizar o livro. Alguns diálogos pareciam fora do contexto. Era como ver o meu de hoje inserido na menina que fui aos 16 anos. Essa sensação de que na verdade eles tinham muito mais de que 16/17 anos não me deixou durante a leitura.

Não vou entrar em muitos detalhes para não estragar a história, mas depois de um tempo comecei a perceber que a história era muito mais da Violet do que do Finch, por isso o final não foi um choque para mim, tem muitas pistas informando sobre o acontecido. Na verdade a medida que fui lendo, a certeza que tinha era que foi algo que ou a autora viveu ou que aconteceu com alguém muito próximo à ela, e no final minhas suspeitas estavam lá sendo comentadas.

Na verdade, acho que a autora perdeu a oportunidade de mostrar o que ela comenta no final do livro (a inspiração para escrever sobre), outros livros já exploraram a situação e o que ela narra no fim me fez pensar muito mais do que todo a história criada. Geralmente todo mundo só culpa/julga quem morre, mas e os que ficam? Como reagem à isso? Talvez ela devesse ter partido dessa premissa.

Gostei do estilo dela de narrar, não foi algo que me fez devorar as páginas, mas segui em frente firme e forte, na esperança de ver as minhas suspeitas e/ou apostas estariam certas ou estava criando mil teorias aloucadas. É uma autora que ficarei de olho nos próximos livros que escrever.

Finalizo a resenha dizendo que este livro teve a mesma pegada de ‘Aristóteles e Dantes’ e ‘Carta de Amor’, ou seja, se você morreu de amores pelos dois primeiros, esse segue a mesma onda e você vai amar, eu achei os 3 livros bem parecidos – tem ótimas ideias, mas elas se perderam e o melhor não saiu na história, que ficou um pouco repetida com o que temos por aí – e caso você tenha odiado, nem vou sugerir esse para você.

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<