POISON BOOKS - Uma Vez (Anna Carey)

Em 02 fevereiro 2015
Autor:  Anna Carey
Tradutor: Fabiana Colasanti
Editora: Galera Record
Série: Sim, livro 2 (série Eva)
Temas: Jovem-Adulto, Distopia, Jornada

SINOPSE - Pela primeira vez desde que fugiu da escola, muitos meses atrás, Eva pode dormir tranquila. Ela está morando em Califia, um refúgio para mulheres, protegida do aterrorizante destino reservado às meninas órfãs na Nova América. Mas a estabilidade tem um preço: foi obrigada a se separar de Caleb, o garoto que ama. Mas, quando fica sabendo que ele está em perigo, abandona tudo para encontrá-lo e acaba caindo em uma armadilha. Agora, presa na Cidade de Areia e vigiada 24 horas por dia, Eva descobre um segredo de seu passado que não poderia ter imaginado nem em seu pior pesadelo.

>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“---.”

RESENHA<<<
Já conferiu os venenos do anterior?

Não sei o que pensar sobre Uma Vez, quando li o livro anterior fiquei empolgada com a aventura no mundo distópico que a autora criou, e não apenas o mundo, mas tudo que foi descoberto, como Caleb e Eva se viram nesse mundo cão, os momentos bons e ruins, a questão de como as mulheres são tratadas (porque sempre as mulheres são tratadas como mercadoria? Levantaremos isso em outra questão...).

Mas nesse segundo livro parece que tudo se perdeu e a autora ficou no café-com-leite. Chegamos à uma Las Vegas bizarra, onde o novo império está sendo construído e descobrimos que Eva é mais importante do que ela mesmo imaginou, mas depois de uma vida habituada aos costumes simples da escola para moças, onde sempre diziam que os homens não prestavam e até mesmos suas aventuras provaram isso, pode ser que não seja tão fácil sobreviver na luxuosa cidade de areia.

Gente, medo do que seria uma Las Vegas distópica...rs, quem já foi na cidade sabe que a parada ia ser ‘du mal’....kkkk

Então, o livro quase não tem ação e parece que os personagens caem muito de qualidade, parecem apagados e literalmente não sabem o que fazer. Ok, há alguns momentos que a gente percebe que eles querem lutar/se rebelar, mas não conseguem, faltou garra. Principalmente à Eva, afinal ela sabe o que o Rei anda fazendo com as meninas, o horror à que elas são submetidas, mas a coisa não engrenou.

Apesar de rolar o segundo carinha, a vantagem (pelo menos por enquanto) é que a protagonista não caiu de amores por ele, mas acho que foi uma das razões que deixou a história um pouco a desejar e tenha rumado para outro assunto completamente diferente do primeiro livro.

A história em si não evoluiu muito, temos alguns momentos de início de motim, mas nada elaborado ou grande para chamar atenção. Na verdade tem mais a ver com o fato de Eva passar a ser uma figura mais importante do que era no livro anterior, do que o fato de ‘vamos libertar a cidade/mundo desse rei tirano e opressor’.

Não sei o que pensar sobre o próximo livro, até porque ele termina em algo que eu sinceramente não curti, apesar de saber que seria assim desde metade do livro, mas não deu muita deixa de melhorar para a finalização da trilogia.

>>> Já conhece as outras redes sociais do blog? Clique e seja bem-vindo <<<