POISON BOOKS - Champion (Marie Lu)


Autor: Marie Lu
Tradutor: Ebréia de Castro Alves
Editora: Rocco
Série: Sim, livro 3 (série Legend)
Temas: Jovem-Adulto, Distopia, Lutas
SINOPSE - No emocionante desfecho da trilogia Legend, June ocupa uma posição privilegiada no governo e Day trocou a alcunha de criminoso mais procurado do país pela de herói nacional. Mas quando tudo parece conspirar a favor da paz, a ameaça da guerra ressurge na forma de um vírus mortal que começa a espalhar o pânico entre as colônias. Em Champion, a vida de milhares de pessoas está novamente nas mãos de June, a menina-prodígio da República. Mas salvá-las significa também enfrentar novos desafios e exigir novos sacrifícios de seu amor.


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“De todos os disfarces que já usei, este talvez seja meu favorito.”

RESENHA<<<
Final de série no blog!!!! Bora conferir os livros anteriores?

Poucas séries chegam ao final e me deixam com o coração na mão, ainda mais por se tratar de um gênero que eu não sou muito fã, ver meu pobre coração ficar cada vez mais apertado conforme as páginas se passavam e eu só pensava: ‘por favor, não faça isso!’ Champion encerra uma excelente trilogia distópica com algo que curto: distopia na mais pura essência, sem mimimis, com lutas, revolução e um final dramático.

Eu já estava empolgada com a série desde o livro um, a temática militar, as lutas e o regime não são exatamente uma novidade no gênero, mas o jeito que a autora colocou a situação onde todo mundo segue cegamente ordens militares não importa muito bem se elas são boas ou ruins foi o que me ganhou, afinal a Sociedade Distópica tem esse padrão meio embutido, só quem lê nas entre linhas acabava vendo isso e aqui, ela ousou colocar nas linhas.

As coisas entre June e Day já estavam tensas antes e aqui elas ficam estranhas, na verdade eles quase não aparecem muito juntos, o que só aumenta a ansiedade para quem torce pelo casal (tipo eu), por isso não espere momentos de declarações eternas ou coisas assim, eles são muito focados no que desejam: LIBERDADE! E o pensamento deles é ‘se eu tiver de ser infeliz para toda uma nação sobreviver, que assim seja’. O pensamento é lindo e tal, mas olha que dói ver essas divagações deles, dói e muito =/

O foco desse último livro foi a revolução, como fazer para conquistar, com quem temos de nos aliar e por incrível que pareça, conhecemos outros cantos desse mundo distópico que a autora criou, ela nunca fala de muita coisa além das antigas cidades americanas mencionadas, então um dos lugares que eles visitam em busca de aliados e como ela descreveu esse outro canto foi muito bacana e um divisor interessante na luta.

As cenas são dinâmicas, intensas, ação sem fim praticamente, meio que impossível largar o livro, mas se preparem para contrastes de ações/sentimentos. Não apenas de June e Day, mas de todos que estão na luta. Talvez isso que mais tenha me chocado, nos outros livros de distopia a coisa sempre parece fácil, algo como ‘vamos ali bater um papo com os caras e boom, a guerra acabou’. Esqueçam isso aqui, as lutas são intensas, as vezes insanas.

O livro termina com uma espécie de prólogo, alguns anos depois, contando como as coisas aconteceram depois desse grande momento. Foi bacana ver coisas boas, ruins, que deram certos e outras nem tanto e um pouco do que cada personagem fez. Mas com certeza é onde seu coração acaba, pois apesar de ser um capitulo meio curto e até sem muita ação, talvez seja o mais intenso. Por isso, para aqueles que curtem ler o final do livro antes de ler a história NÃO. FAÇAM. ISSO! Senão vocês vão ficar sem entender e meio ‘P’ da vida.

>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<

Share:

0 comentários