POISON BOOKS - Scarlet (Marissa Meyer)

Em 15 setembro 2014

Autor: Marissa Meyer
Tradutor: Regiane Winarski
Editora: Rocco
Série: Sim, livro 2 (série Crônicas Lunares)
Temas: Jovem-Adulto, Romance, Contos de Fadas, Ficção, Distopia
SINOPSE - Depois de Cinder, estreia de sucesso de Marissa Meyer e primeiro volume da série As Crônicas Lunares, que chegou ao concorrido ranking dos mais vendidos do The New York Times, a autora está de volta com mais um conto de fadas futurista. Scarlet, segundo livro da saga, é inspirado em Chapeuzinho Vermelho e mostra o encontro da heroína ciborgue que dá nome ao romance anterior com uma jovem ruiva que está em busca da avó desaparecida. Em uma trama recheada de ação e aventura, com um toque de sensualidade e ficção científica, Marissa Meyer prende a atenção dos leitores e os deixa ansiosos pelos próximos volumes da série.


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Scarlet estava pousando no beco atrás da taverna Rieux quando seu tablete apitou no banco do carona e uma voz automatizada soou em seguida: Comunicado para mademoiselle Scarlet Benoit do Departamento de Pessoas Desaparecidas da Polícia de Toulouse.”

RESENHA<<<
Segundo livro da série ‘Crônicas Lunares’, para saber dos venenos do anterior, clique:

Confesso que comecei a ler esse livro não dando nada por ele e o melhor? Totalmente queimei minha língua, porque como todo segundo livro, a história sempre cai, a famosa – maldição do segundo livro, mas aqui, a história ficou muito melhor que no anterior, realmente tivemos um link interessante entre Scarlet (Chapeuzinho Vermelho), os lunares, a releitura do conto e uma possível grande revolução.

Vamos analisar por partes, começando pela Chapeuzinho, a releitura do clássico foi muito mais interessante, a personagem é forte, está dentro do contexto  - ela mora com a avó numa fazenda e a mesma está desaparecida, aqui não temos o tal caminho para casa da vovó, mas o capuz vermelho e até o ‘lobo’ também estão presentes. Enquanto Cinder foi ambientado no que seria a China, Scarlet ficou na Europa, precisamente Paris.

A Scarlet é o tipo de heroína que eu curto, forte, sagaz e que tenta resolver as coisas. Ela não senta e fica chorando no cantinho não! Ela sabe que algo está errado e quer entender o motivo, mas quando um misterioso rapaz chega trazendo a solução para os problemas dela, talvez seja esmola demais e ela sabe disso, mas o que seria uma história sem esse detalhe? A Scarlet é uma das responsáveis por fazermos o link com o livro anterior.

A narrativa/enredo está bem mais dinâmico e intrigante. Tinha mimimi demais no outro e parecia que a autora não sabia para onde apontar. Aqui temos foco em alguns pontos e as pontas soltas começaram a ganhar respostas, umas até sabemos os motivos, as outras ainda ficamos meio que perdidos. Mas o ritmo de leitura e o mistério aumentaram mais, então vai ser quase improvável de querer terminar antes de saber das coisas, principalmente quando os links começarem a aparecer.

O problema de todo livro que muda os personagens é que eles desaparecem no livro posterior, certo? Sim... mas não aqui. Há alguns capítulos ‘narrados’ por Cinder e é quando sabemos por onde ela anda e também a questão do príncipe, até porque a Rainha Lunar não era lá uma mocinha muito digna e ela continua aprontando... adoro vilões sem noção.

Além da melhora do ritmo, um enredo mais interessante e uma releitura mais legal do mito, aqui a gente realmente fica fascinado e a escrita também ajudou, têm mais ação e cenas de perseguição. Claro que esse livro não é voltado para suspense e policial como alguns outros, por isso essas cenas são bacanas, mas óbvio poderiam ser mais, mas o público do livro vai curtir.

Agora nos resta saber o que devemos esperar no último livro da série, torço para que seja tão interessante quanto esse foi.

Continua em: Cress
Continua em: Winter

>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<