POISON BOOKS - O Demônio e a Forja (Henry H. Neff)

Em 05 setembro 2014

Autor: Henry H. Neff
Tradutor: Geraldo Cavalcanti Filho
Editora: Prumo
Série: Sim, livro 3 (série A Tapeçaria)
Temas: Magia, Aventura, Infantojuvenil
SINOPSE - Astaroth, o maior de todos os demônios, conquistou o poder de remodelar a história à sua vontade. O mundo tornou-se irreconhecível e a maioria dos seres humanos é escravizada nos quatro reinos demoníacos. Neles, a magia e a natureza podem florescer desde que ninguém se atreva a contrariar a nova ordem estabelecida. Isso impõe a Max McDaniels, rebelde contra essa dominação, um alto preço a pagar. Incerto sobre seu verdadeiro lugar em Rowan, Max parte para explorar o mundo além de sua terra. No curso de suas viagens, ele conseguirá se tornar o herói de que a humanidade tanto precisa? No terceiro livro de A Tapeçaria, o autor e ilustrador Henry H. Neff conduz a série a uma nova e excitante direção, nos fascinando com uma distopia em que história, mito e monstros colidem.


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Não foi o calor do sol ou o balir das ovelhas que acordou Max McDaniels.”

RESENHA<<<
Seguimos na série ‘A Tapeçaria’, para conhecer mais venenos dos anteriores, clique:
Livro 1 – Academia de Rowan

Essa é uma daquelas séries que a gente nunca sabe o que esperar. No início, alguns elementos me lembravam de algumas séries ligadas à escolas/academias de magia, mas aos poucos, o autor mudou (e muito) o rumo das coisas que às vezes me sinto perdida dentro da história e sem saber aonde ele quer chegar.

Geralmente em uma série desse tipo, o primeiro livro traz toda a informação sobre o mundo em questão, nos seguintes vem falando sobre o declínio e perigo e o último é a tal ‘batalha final’, mas aqui, tivemos uma grande batalha no segundo e agora é como se tivéssemos vendo o que acontece depois que a série acaba e vem o tal ‘felizes para sempre’. Achei ousado de o autor fazer isso e confesso ter sido um choque e com isso tivemos muitas reviravoltas.

O difícil dessa série é a quantidade de personagens que temos, os livros são grandes e por aqui demoram a chegar (mesmo que tudo já tenha sido publicado lá fora), aí com a grande distancia entre um e outro, esquecemos alguns personagens, que nem sempre são tão importantes, mas é ruim ficar tentando puxar pela memoria o nome ou exatamente quem fez o quê em qual livro. Mas aqui temos personagens mais interessantes, focados e com menos mimimi (isso era muito comum nos livros anteriores, as vezes era bem chato), afinal eles já passaram por momentos difíceis e é preciso contornar aquela situação, eles cresceram e estão seguindo um caminho de um jovem e não adolescentes.

A narrativa foi muito inconstante, teve momentos maravilhosos que mesmo com capítulos enormes, adorei e li com uma velocidade que nossa, me fazia sempre ansiar por mais, mas em outros, AiMeuDeus... nem parecia que tinha sido o mesmo autor que tinha escrito, era arrastado, chato e quase me fizeram desistir, tem muitos altos e baixos e por ser uma série grande e sempre com muitos temas envolvidos, se torna um pouco cansativa as vezes, em muitos momentos precisei recorrer a técnica das ’50 páginas por dia’, pois tinha alguns momentos que a narrativa não emplacava.

Apesar de alguns momentos tensos, eu gosto da história em si e o que autor criou nesse mundo/universo paralelo, por ele ter mudado o ponto da história do que geralmente costuma ser me deixou um pouco perdida, mas não desanimada a continuar, ele tem bons personagens, situações plausíveis e muitos momentos de reviravolta, afinal cada livro tem na média de 500 páginas e isso para o público juvenil é muita coisa e a fonte não é tão grande assim.

Meu medo é que a série não chegue ao fim por aqui, apesar de ainda termos mais dois livros pela frente, estou sem saber de fato o que esperar na história e isso é bem positivo, pois quando você começa a acertar todos os passos do autor, aquilo acaba te desmotivando, mas vou manter meu pensamento positivo e ficar esperando pelo próximo volume da série e saber o que iremos descobrir sobre Rowan e seus habitantes.

>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<