POISON BOOKS - Uma Razão Para Respirar (Rebecca Donovan)


Autor: Rebecca Donovan
Tradutor: Alba Marchesini Milena
Editora: Pandorga
Série: Sim, livro 1 (trilogia Breathing)
Temas: Jovem-Adulto, Comportamento, Violência
SINOPSE: Na cidade de Weslyn, Connecticut, onda a maioria das pessoas se preocupa em ver e ser vista, Emma Thomas preferia não ser percebida de forma alguma. Ela está mais preocupada em fingir perfeição enquanto puxa as mangas da blusa para baixo para esconder as marcas roxas, não querendo que ninguém perceba quão longe da perfeição ela realmente está. Sem esperar, ela encontra o amor. O amor a desafia a reconhecer seu valor, mas correndo o risco de revelar o terrível segredo que esconde. O livro "Uma razão para respirar" é eletrizante da primeira à última página; uma história ímpar sobre mudança, crueldade inesperada e uma garota se agarrando à frágil esperança. Uma Razão para respirar não é só um romance é um livro que aborda a violência doméstica e todos os dilemas que as crianças e adolescentes que passam por isso precisam enfrentar. A personagem principal vive esta realidade e tenta tornar-se invisível para que as pessoas a sua volta não a percebam. E por meio da amizade e amor ela tenta superar cada dia doloroso até que consiga escapar desta rotina. Uma história forte, emocionante, dura, real, meiga, triste e doce ao mesmo tempo, que vai mexer com os sentimentos do leitor. Uma leitura envolvente do inicio ao fim.


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Respire.”

RESENHA<<<
Violência gratuita, personagens fracos e história que não avança, além de ser mega arrastada. Isso citando por baixo porque deixei de lado o livro ‘Uma Razão para Respirar’. Fiz um esforço surreal e cheguei até a página 200, mas tudo tem limite e o meu já tinha passado há tempos (geralmente paro na página 100).

Nos primeiros capítulos, ou melhor, páginas eu já senti que não ia curtir. O ritmo de leitura era arrastado demais e a autora não evoluía com seus personagens. Mas quando a chega quase ao capítulo 20 e nem sabemos o motivo da protagonista morar com a tia e apanhar como se não houvesse amanhã, fica difícil de prosseguir.

Não consegui curtir nenhum dos personagens, mas de longe a protagonista e a família dela ganharam no quesito ‘odiei logo de cara’. A menina leva surras e surras da tia sem motivo, pelo fato de não gostar da sobrinha, mas até onde cheguei esse ódio ainda não tinha sido respondido. Na verdade a gente nem entende o motivo da menina estar lá, a autora demora tanto para resolver os dilemas que cria, que a história se torna chata e repetitiva.

Não me conformei com uma menina de 17 anos apanhando sem parar e não fazendo nada, sendo que todo mundo queria ajudá-la, as explicações para não se rebelar eram fracas e efêmeras, não sustentavam o que ela passava (ela apanhava de taco de baseball, panelas e coisas desse tipo). Se fosse uma criança, iria entender que a mesma não tem autoridade contra um adulto, mas ela sabia muito bem das coisas.

Outra coisa muito louca era a família. A tia precisa ter um problema muito grave para justificar toda essa agressão, ela só bate na menina e diz que não gosta dela. Foi um erro muito grave por parte da autora chegarmos até a metade do livro (quase) e não sabermos o motivo de tanta agressão. Já li livros onde o personagem era agredido, às vezes estava ligado à algo sexual ou algum tipo de ódio, mas sabíamos um pouco. Aqui a gente só pensa ‘quando essa mulher vai morrer ou a menina tomar uma decisão logica?’

Mas o fato da agressão gratuita não foi o principal motivo de ter abandonado. Os personagens são muito fracos e patinam na mesma coisa em todos os capítulos, a história nunca sai do lugar. Você lê a mesma coisa em todos os capítulos. Não avança, não melhora, não acontece nada de fato.

A narrativa arrastada e enfadonha também contribuiu muito para deixar a leitura de lado e ir atrás de coisas mais interessantes, afinal quando você não se sente tentado a continuar a história, mesmo que o enredo seja bom, a gente simplesmente não se empolga com que está sendo narrado e aqui é assim. Foi um custo seguir adiante. Passar da página 100 e chegar na 200 foi um esforço forte. Apenas pensei depois, deveria ter desistido logo...

Para piorar a situação, é uma trilogia. Imagina uma história que não anda ser arrastada por mais 2 livros? Meu Deus do Céu, eu bateria a cabeça... nessa hora que eu penso ‘Ainda bem que não sou tradutora, porque esse seria um trabalho que abriria mão de traduzir’. Porque se a leitura foi chata, imagina traduzir isso?

>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<

Share:

0 comentários