BOOKS || Um Caso Perdido (Collen Hoover)

Autor: Collen Hoover
Tradutor: Priscila Catão
Editora: Galera Record
Série: Sim, livro 1 (série Hopeless)
Temas: Jovem-Adulto, Novo Adulto, Romance, Outros
Às vezes, descobrir a verdade pode te deixar com menos esperança do que acreditar em mentiras... Em seu último ano de escola, Sky conhece Dean Holder, um rapaz com uma reputação capaz de rivalizar com a dela. Em um único encontro, ele conseguiu amedrontá-la e cativá-la. E algo nele faz com que memórias de seu passado conturbado comecem a voltar, mesmo depois de todo o trabalho que teve para enterrá-las. Mas o misterioso Holder também tem sua parcela de segredos e quando eles são revelados, a vida de Sky muda drasticamente.

>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Levanto e olho para a cama, prendendo a respiração com medo dos sons que estão surgindo do fundo de minha garganta.”

RESENHA<<<
Falar desse livro vai ser um pouco complicado, por 3 motivos:
- O problema sempre constante da tradução;
- O assunto que ele trata ser bem sério;
- Sua narrativa ser devagar e as coisas demorarem e muito a acontecer.

Eu gostei do livro, mas já li coisas melhores da autora e quando se ler algo mais intenso e com uma carga emocional muito mais forte, fica inevitável fazer comparações. Por isso, ao ler tantos comentários positivos, esperei muito, muito mais do que foi apresentado.

O livro demora a acontecer, são quase 200 páginas de divagação da protagonista sobre a sua vida. O que de certa forma tem certa ironia – mãe não a deixa ter um celular ou acessar internet e ver TV, o que vamos concordar é muito complicado hoje em dia, pois por mais que a mãe não desse esse aparelho para ela, ela tem uma melhor amiga que a manteria informada de como usar as coisas e óbvio que ela não iria manter tudo atualizado, mas aí ela segue essa regra a risca, mas trazer os meninos para o quarto dela no meio da noite ‘pode’ – porque se a mãe não sabe que alguém entra na casa, tem sérios problemas. Juro que nunca vou entender esse lado da Sociedade Americana, parece que certas coisas mesmo erradas podem acontecer, porém outras parecem ser grandes tabus.

O livro se passa em 2012, então, essa ‘falha’ nem dava para passar batida, se fosse por volta de 2000, ou antes, aceitava, pois era caro ter internet, dois anos atrás não. Isso foi algo que já me deixou com pé atrás na história e nada acontecer, além das divagações da protagonista foi um grande pecado, acredito que a autora levou muito tempo para dar a virada na trama (lembrando que o livro tem apenas 350 páginas), com isso as revelações aconteceram na velocidade da luz.

Quando temos a revelação dos motivos da vida da protagonista ser assim é quando o assunto tenso entra em cena, infelizmente não dá para falar muito sobre ele, pois acredito que isso seria uma grande spoiler, mas a autora foi ousada ao falar desse tema, são tantas coisas envolvidas e nem sempre do jeito correto, quase ouso dizer que aqui ‘o fim justifica os meios’, a história que ela conta nessas 150 páginas é muito intensa e essa intensidade às vezes foi demais. É ver outro livro de repente.

Apesar de toda a intensidade da segunda parte não consegui amar os protagonistas, não senti simpatia pela Sky ou Holder, não vi a química entre eles acontecer. Na verdade vi um grande amigo ajudando outro a superar as coisas, mas as cosias sexys, aquele frio na barriga na hora das cenas de romance não aconteceu, então acabei vendo o casal mais como amigos do que casal, casal mesmo. E isso não foi positivo na leitura, não conseguia entrar nesse mundo de sentimentos.

Finalizo falando do título, até entendi por onde o tradutor quis ir ao dar o título em português, mas Hopeless na verdade é um jogo de palavras, de forma que não deveria ter tradução, mas no contexto geral do livro desesperança ou algo ligado à qualquer coisa desse tipo, faria mais sentido, já que no contexto do texto um dos personagens está sem rumo e perdido por algo que aconteceu, e bora combinar que o significado de ‘um caso perdido’ é completamente diferente de ‘sem esperança’.

Dos livros que li da autora, esse com certeza foi o que mais teve jogo de palavras, não li em inglês, mas acredito que muita coisa deve ter sido perdida ao ocorrer a tradução, talvez ao não seguir um dos caminhos possíveis do contexto (que para mim esteve mais ligado ao desespero), muita coisa tenha se perdido.

O que mais curti no livro foi o fato da autora retratar uma situação comum que porém nem sempre a gente vê, as pessoas não são observadoras e isso foi o que a autora quis mostrar ao falar do tema, de resto, o enredo, a narrativa e seus personagens ficaram a desejar.

O próximo livro, será a visão do Holder dos acontecimentos e tem dois contos no meio (mas esses são independentes).

Abaixo, temos um vídeo comentando os pontos fortes (e fracos) do livro.

Share:

0 comentários