POISON BOOKS - Inferno (Meg Cabot)

Em 11 junho 2014

Autor: Meg Cabot
Tradutor: Camila Mello
Editora: Galera Record
Série: Sim, livro 2 (trilogia Abandono)
Temas: Jovem-Adulto, Mitologia, Mitos, Romance
SINOPSE: Nesta continuação do mito de Perséfone recriado por Meg Cabot, Pierce Oliviera está em um lugar entre o paraíso e o inferno. Um castelo turvo e mal iluminado, de onde pode ver os espíritos dos mortos, prontos para embarcar em sua viagem derradeira. Mas não está lá por escolha própria: John Hayden, senhor do Mundo Inferior, está lhe mantendo lá. Para seu próprio bem, ele diz: para protegê-la das Fúrias que desejam vingar-se dele.
Mesmo que esteja lá, seus entes queridos não estão. E isso pode acabar custando caro para ambos. Mas John afirma que não pode deixá-la sair. Será que ela deveria confiar em sua palavra?


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“– Pierce sempre tem os pesadelos mais terríveis.”

RESENHA<<<
Inferno é o segundo livro da trilogia Abandono, para conhecer os venenos sobre o livro anterior, clique:

Se eu copiar a colar a resenha de Inferno, vocês vão ficar chateados? rs
Porque de verdade, nada... nada, nadinha de nada mudou nesse segundo livro. Mentira, os mimimis aumentaram apenas.

Quando li o livro anterior e não dei nada por ele, sabia que esse não seria muito melhor; capa bacaninha, mitologia grega (que amo, por sinal), autora famosinha, mas o feeling de que nada disso ia adiantar e o segundo seria tão parado quanto o primeiro estava lá e isso só se manteve ao longo das páginas. Infelizmente uma história que poderia ser legal não evoluiu, a personagem continua tão boba quanto no primeiro, as informações sobre ela e John não se aprofundam e parece que nada aconteceu na cidade.

Não é aventura, não tem mitologia, não temos personagens fortes e para não dizer que nada foi acrescentado, conhecemos um pouco da história do John e o tal motivo da festa do Caixão, mas muita coisa ficou a desejar, achei em vários momentos que a autora iria aprofundar e inserir mais detalhes sobre o que ela pensou/relacionou com a mitologia, principalmente porque Hades/Perséfone estão ligados à morte e isso é algo que não dá para mudar sem consequências.

A protagonista tem 17 anos, filha de pais importantes – o pai é um dos caras mais ricos do mundo, a mãe também é importante e ela parece uma alienada, como se tivesse uns 10/12 anos, as atitudes dela não condizem com a idade dela, aqueles sentimentos do tipo ‘ai, ele pegou na minha mão’ e fiquei vermelha/sem graça/sem saber o que fazer é bonitinho em meninas novas que estão se descobrindo. Agora em alguém ‘adulto’ e que já conhecia o cara foi dose de engolir.

Uma coisa que tenho reparado nessas trilogias da Meg é que ela geralmente no segundo livro quer tocar em um assunto importante, como desaparecimento de pessoas (Cabeça de Vento) ou contrabando/pirataria (lembrar que o livro se passa em um local famoso por ter tido vários navios naufragados), mas como o enredo é fraco e bobo, a gente não consegue ver um link interessante com a história original, fica parecendo uma colcha de retalhos mal pregada, onde a gente pensa ‘já já, isso vai se soltar.’ Ou seja, nenhuma das duas histórias vai se manter.

E de fato nenhuma delas nos empolga, o casal principal não evolui, nem mesmo nos acolhe para o cenário que sua história é baseada, exceto esse portal para o Hades como se fosse uma pista, quase dá a sensação de que se você estiver parado em um determinado lugar vai ser levado de forma simples e fácil. Já li outras coisas envolvendo Hades/Perséfone que foram muito melhor trabalhadas.

Sobre o final da série, sinceramente não vejo uma grande evolução... apenas uma finalização simplória do casal principal e dessa coisa ligada aos piratas. Talvez possa vir algo com pompa e reviravoltas malucas, mas depois de dois livros mornos, quase gelados, tô achando difícil de acontecer.

>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<