POISON BOOKS - A Filha do Sangue (Anne Bishop)

Em 13 junho 2014

Autor: Anne Bishop
Tradutor: Cristina Correia
Editora: Saída de Emergência
Série: Sim, livro 1 (trilogia das Joias Negras)
Temas: Adulto, Magia, Reinos
SINOPSE: O Reino Distorcido se prepara para o cumprimento de uma antiga profecia: a chegada de uma nova Rainha, a Feiticeira que tem mais poder que o próprio Senhor do Inferno. Mas ela ainda é jovem, e por isso pode ser influencidade e corrompida. Quem a controlar terá domínio sobre o mundo. Três homens poderosos, inimigos viscerais - sabem disso. Saetan, Lucivar e Daemon logo percebem o poder que se esconde por trás dos olhos azuis daquela menina inocente. Assim começa um jogo cruel, de política e intriga, magia e traição, no qual as armas são o ódio e o amor. E cujo preço pode ser terrível e inimaginável.


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Sou Tersa, a Tecelã, Tersa, a Mentira, Tersa, a Louca.”

RESENHA<<<
Um livro complexo, de certa forma com um enredo denso, mas muito bem construído, é a história que nos aguarda em ‘A Filha do Sangue’, a autora ousou na forma de narrar e no primeiro momento por ser bem diferente de tudo que estamos acostumados, podemos ter a impressão de que não é bom, mas insistam e avancem, pois a história é ao mesmo tempo, intensa, insana, ousada, até cruel, mas maravilhosa.

Primeiro livro da Saída de Emergência que me agrada e me deixou bem ansiosa para ler o segundo livro da trilogia. A história contada por Bishop, tem uma mistura de magia, guerras, reinos, pitadas de rebelião, reviravoltas e muito descontentamento.

A autora não poupa esforços para mostrar o lado ruim de alguns personagens, como os consortes mostrados, suas dores, sofrimentos, loucuras tudo que acontece quando os mesmos desobedecem as ordens de rainhas loucas. E a maioria do sofrimento é sempre física, chicotadas, ‘dores sexuais’, perda de poderes. E mesmo no momento mais tenso da trama, quando envolvem crianças, ela conta o que de fato acontece atrás de portas fechadas e quando a população/parentes são iludidos ou só enxergam o que querem ver.

As descrições da autora são perfeitas, nem muito detalhadas a ponto de ficar chatas, mas não são superficiais, elas levam o leitor a pensar/imaginar no que está acontecendo, ela coloca o básico e sua imaginação/percepção faz o resto e isso é o caminho perfeito para mergulhar na aventura. É quando o leitor consegue se desligar ao que acontece a sua volta e entrar de cara na aventura. Mas como dito acima, não espere apenas mar-de-rosas, a autora não poupa esforços para mostrar a realidade nua e crua.

Uma das maiores dificuldades é saber se situar. São muitos reinos, conspirações, nomes estranhos e cada capítulo mostra a visão de cinco partes diferentes, como os nomes dos personagens (que são muitos) e os lugares possuem nomes exóticos, até eu conseguir fazer o ‘cara-crachá’ e realmente conseguir entender quem pertencia à que parte do reino, foi um pouco difícil de prosseguir e por mais que a gente queira correr e passar por cima, não faça isso, os personagens são importantes, mas só entendemos o motivo do meio para o fim.

Gostei bastante da história e mesmo ela sendo intensa e as vezes um pouco cruel, ela cumpre o que promete e nos faz desejar mais, por isso as páginas quase se viram sozinhas, o mundo que a autora criou é complexo, mesmo que no primeiro momento a gente pense ‘as mulheres dominam’, não é exatamente assim, as mesmas nem sempre sobrevivem, são subestimadas, há jogos de poder (e como existe isso) e algumas acabam perdendo seu ‘eu’, ou a alma, ou a essência ou o que você quiser chamar.

Aconselho a leitura para quem é fã de fantasia, mas menores de 18 anos, acho que deveriam ler com moderação.  Não é só porque contem cenas de sexo, mas sim como elas acontecem que me deixa em dúvida sobre o aviso.

Ahhhh a classificação do livro é entre Venenoso e Letal, mas como não existem notas quebradas no blog, ele fica com Venenoso.

>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<