POISON BOOKS - Como Viver Eternamente (Sally Nicholls)


Autor: Sally Nicholls
Tradutor: Lidia Luther
Editora: Geração Editorial
Série: Não
Temas: Infantojuvenil, Drama, Relacionamento
SINOPSE: Sam ama fatos. Ele é curioso sobre óvnis, filmes de terror, fantasmas, ciências e como é beijar uma garota. Como ele tem leucemia, ele quer saber fatos sobre a morte. Sam precisa de respostas das perguntas que ninguém quer responder. ”Como Viver Eternamente”, é o primeiro romance de uma extraordinária e talentosa jovem autora. Engraçado e honesto, este é um livro poderoso e comovente, que você não pode deixar de ler. A autora tem apenas 23 anos e embora seja seu primeiro livro, ele está sendo lançado em 19 países, dirigido a crianças, adolescentes e adultos.


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Hoje foi nossa primeiro dia de volta às aulas depois dos feriados de Natal.”

RESENHA<<<
Geralmente evito livros cujo tema tem a ver com doenças. Não gosto de ficar lendo algo triste e que já sei que o final vai ser desagradável. Não que queira evitar chorar ou ache que todos eles serão ruins/repetitivos, mas a leitura é algo para me divertir, me fazer fugir dos problemas. E com isso me dá a impressão que estou embarcando em mais um.

Confesso que isso pode ser algo ruim, porque sei que deixo de ler coisas interessantes, mas é uma questão pessoal. Do mesmo jeito que sei de gente que não suporta distopia ou não dê chance aos NAs, eu evito os doenças terminais. Por isso, ler ‘Como Viver Eternamente’ foi uma surpresa até mesmo para mim e gostar do livro foi mais um tabu quebrado.

A autora tratou o momento difícil de uma família – uma criança que sabe que vai morrer, uma mãe que não sabe como reagir, um pai em negação e uma irmã que parece não saber de nada, de uma forma muita real. O desespero da mãe sem saber como agir com a situação do filho e a relação com o menino são bem retratadas. A gente percebe que a mãe quer dar ao filho um momento para viver como criança, mas o que fazer quando não podemos fazer nada?

Sam é um personagem maravilhoso, um exemplo de positividade mesmo na situação mais adversa possível. Achei que poderia ser um livro triste, mas um personagem que apesar da pouca idade é tão decidido e cheio de si (no bom sentido) acaba passando uma vibe maravilhosa, a ideia de que sim, devemos ir atrás dos nossos sonhos e desejos, mesmo que sejam bobos ou simples para os outros.

Apesar da escrita simples e o enredo não ser tão elaborado, afinal o livro se destina aos jovens (faixa infanto-juvenil), ele consegue nos cativar e nos mantém preso até o final. Mesmo sabendo qual será o fim da história, parece que a gente precisa chegar o quanto antes lá. A autora soube escrever de forma limpa e ágil. Sem muitas enrolações ou querer ‘enfeitar o pavão’.

Aconselho uma caixinha de lenços para os manteigas-derretidas, acredito que o objetivo da autora nunca foi que a gente chorasse do início ao fim, mas inevitavelmente, perto do fim lágrimas cairão.

>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<

Share:

0 comentários