POISON BOOKS - Corvo Negro (Ann Cleeves)


Autor: Ann Cleeves
Tradutor: Carlos Duarte e Anna Duarte
Editora: Record
Série: Sim, livro 1 (série Shetland)
Temas: Adulto, Suspense, Thriller, Investigação
SINOPSE: Quando um de seus professores propõe à turma um trabalho sobre a região em que vivem, na Escócia, Catherine Ross decide fazer um documentário para mostrar os costumes locais. Porém, alguns dias depois, seu corpo é encontrado na neve. Todas as evidências logo apontam para Magnus Tait, um ancião que tem como única companhia um corvo e que, anos antes, foi acusado de matar a jovem Catriona Bruce. Mas ao procurar pelo documentário, o investigador Perez descobre que ele desapareceu. Agora, além de entender a conexão entre os crimes, ele precisará desvendar os segredos revelados pelo primeiro e único filme de Catherine Ross. · Corvo negro ganhou o prestigiado prêmio Duncan Lawrie Dagger de 2006 como melhor obra de suspense do ano.


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Era uma e vinte da manhã do dia de Ano-Novo.”

RESENHA<<<
Meu medo em ler suspenses/thrillers é que mate a coisa toda logo no início e vamos combinar, ninguém merece pegar um livro de suspense, onde a gente já sabe de tudo com antecedência, além de nos desanimar, dá aquela sensação ruim de que o autor não elaborou bem seu mistério.

Outra máxima que ando averiguando é a questão da nacionalidade dos autores desse gênero, e acredito que os autores do lado gelado da Europa, principalmente Escócia, Suécia, Polônia, Finlândia e afins, são geralmente onde os bons autores se encontram. Os suspenses deles além de venderem milhões, são interessantes.

O Corvo Negro foi um suspense interessante, apesar de parecer apontar para o suspeito mais óbvio, a autora já logo de cara bate o pé e diz que não é ele, aí mesmo quando algumas provas/evidências aparecem, a gente começa a ficar em dúvida. Principalmente que tudo ocorre numa cidadezinha pequena, então todos se conhecem.

A história evolui de uma forma bacana, não é muito corrida, e vai aos poucos mostrando como policial pensa e como seu feeling o ajuda a resolver o caso. Como o policial não mora no local há muitos anos, ele precisa rever todo o conceito da cidade que conheceu quando pequeno e isso foi fundamental para conhecermos os personagens principais da trama.

Porém, o que não curti foi exatamente o final, a autora brincou de uma forma interessante, mas no final quando ela revela seu assassino, as provas e evidencias não pareciam apontar nunca para ele e o motivo do crime foi tão banal e sem sentido que foi um balde de água fria. Você se empolga com a coisa e no final ela termina meio xoxa.

O livro faz parte daquele tipo de série que não é série, onde apenas o personagem principal, nesse caso o policial permanece o mesmo e o caso vai mudando. Não sei se os mesmos personagens da cidade vão aparecer, alguns, acredito que sim, mas esse livro teve um final, então a linha que une a ‘série’ deve ser meio vaga.

De modo geral, a escrita da autora e a agilidade da leitura foram uma boa surpresa para mim, o final ficou um pouco a desejar, mas para quem quer se aventurar em coisas novas, esse livro é uma boa pedida.

>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<

Share:

0 comentários