POISON BOOKS - Boneca de Ossos (Holly Black)


Autor: Ashley Edward Miller & Zack Stentz
Tradutor: Henrique Amat Rêgo Monteiro
Editora: Novo Conceito
Série: Não
Temas: Infanto-juvenil, Relacionamento, Comportamento
SINOPSE: POPPY, ZACH E ALICE sempre foram amigos. E desde que se conhecem por gente eles brincam de faz de conta – uma fantasia que se passa num mundo onde existem piratas e ladrões, sereias e guerreiros. Reinando soberana sobre todos esses personagens malucos está a Grande Rainha, uma boneca chinesa feita de ossos que mora em uma cristaleira. Ela costuma jogar uma terrível maldição sobre as pessoas que a contrariam. Só que os três amigos já estão grandinhos, e agora o pai de Zach quer que ele largue o faz de conta e se interesse mais pelo basquete. Como o seu pai o deixa sem escolha, Zach abandona de vez a brincadeira, mas não conta o verdadeiro motivo para as meninas. Parece que a amizade deles acabou mesmo...


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
Poppy apoiou uma das bonecas de sereia perto do trecho de asfalto da rua que representava o Mar Mais Negro.”

RESENHA<<<
Um dos meus mantras é: não venha para uma leitura cheio de expectativa, seguido de: nunca compre toda a série de um livro se você não leu pelo menos o primeiro livro. Nesse caso, o mantra um é o que aconteceu nessa leitura e confesso, fiquei chateada ao finalizar suas paginas.

Conheço a escrita da autora de outros carnavais, sei do que ela é capaz e ela consegue me prender, suas histórias são louquinhas e intrigantes, por isso arrisquei nessa leitura de olhos fechados, quase tudo dela que li, curti. Mas ‘Boneca de Ossos’ ficou a desejar e muito.

A história é chatinha demais, as crianças não têm aquele brilho e intensidade e a tal aventura, para mim, acabou antes de começar. Tanto mimimi por tão pouco. Um livro tão fininho e mesmo assim enrolei para ler. A ideia geral era boa, mas muito mal aproveitada.

O que senti terminando de ler o livro é que ela aparatou um pedaço da história, desenvolveu e depois desaparatou o restante, aí fica aquela sensação de só ter meio, ou seja, sem começo ou fim...sensação de incompleto, aquele pensamento...será que é série?


“Há pessoas que fazem coisas
e pessoas que nunca fazem...
Que dizem que vão fazer,
mas simplesmente não fazem.”

Mesmo o livro sendo infanto-juvenil, sempre espero embarcar nas aventuras, mas a história começa com um rumo de brincadeira de criança e de repente migra para vamos enterrar alguém, uma coisa meio sem pé nem cabeça e a ligação ficou a desejar. E nem ou falar das crianças, o livro é praticamente o tempo todo com os três protagonistas, porém eles não são tão legais assim, muitas brigas por poucas coisas. Queria mais, muito mais.

De um modo geral, apesar da leitura rápida, a coisa não é tão ágil assim, o enredo não te prende, mas por ser pequeno, você acaba lendo relativamente rápido, mas se fosse um livro empolgante, acredito que não teria largado até terminar, o que não aconteceu aqui.

>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<

Share:

0 comentários