POISON BOOKS - O Começo de Tudo (Robyn Schneider)

Em 28 abril 2014

Autor: Robyn Schneider
Tradutor: Shirley Gomes
Editora: Novo Conceito
Série: Não
Temas: Jovem-Adulto, Relacionamento, Comportamento, Romance
SINOPSE: O garoto de ouro Ezra Faulkner acredita que todo mundo tem uma tragédia esperando ali na esquina – um encontro fatal depois do qual tudo o que realmente importa vai acontecer. Sua tragédia particular esperou até que ele estivesse preparado para perder tudo de uma vez: em uma noite espetacular, um motorista imprudente acabou com a perna de Ezra, com sua carreira no esporte e com sua vida social.
Depois que perdeu o favoritismo ao posto de rei do baile, Ezra agora almoça na mesa dos losers, onde conhece Cassidy Thorpe. Cassidy é diferente de qualquer pessoa que Ezra tenha encontrado antes – melancólica e com uma inteligência mordaz.
Juntos, Ezra e Cassidy descobrem flash mobs, tesouros enterrados e um poodle que talvez seja a reencarnação do Grande Gatsby. À medida que Ezra mergulha nos novos estudos, nas novas amizades e no novo amor, aprende que algumas pessoas, assim como os livros, são difíceis de interpretar. Agora, ele precisa considerar: se uma tragédia já o atingiu, o que poderá acontecer se houver mais infortúnios?
O Começo de Tudo é um livro poético, inteligente e de cortar o coração sobre a dificuldade de ser o que as pessoas esperam, e sobre começos que podem nascer de finais trágicos.



>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Às vezes acho que uma tragédia vive à espreita de todo mundo; por isso, as pessoas que vão comprar leite na esquina ou que cutucam o nariz enquanto aguardam o sinal abrir estão a apenas alguns minutos de um desastre.”

RESENHA<<<
Não estava esperando muito pelo livro, por isso ao termina-lo senti que ele cumpriu a sua missão, entreter e nos fazer pensar sobre alguns momentos, decisões e como analisamos a nossa vida ou determinadas situações. O livro não é um best-seller, mas a sua leitura é relativamente rápida e nos deixa pregado, tanto que li o livro praticamente em um dia.

A história não é tão profunda, acho que a autora não quis transformar em algo depressivo, ele tem uns tons cômicos no meio de tanto caos, afinal sair do popular para a turma dos esquecidos mexe no ego de qualquer, ainda mais quando o popular em questão era estrela do time de tênis da escola, após o acidente, tênis é uma das coisas que ele nunca mais poderá fazer...

Um ponto positivo foi que o personagem principal masculino realmente é um menino, já reclamei em outros livros que as autoras às vezes perdem a mão ao falar dos rapazes, eles são mais práticos e centrados, mesmo nas crises, coisas que nós mulheres não somos (nem todas, mas a grande maioria), realmente senti que via a visão masculina do todo e isso foi bacana, pois a maioria dos personagens principais da história são meninas.

A autora falou de muitas coisas, não apenas desse alto e baixo, ela fala do amor, da perda, de como lidar com tudo isso, as amizades, falsas amizades e interesses, dramas adolescentes que no final vão para toda vida, ou você acha que mesmo aos 30 anos ou aos 40 você nunca mais será sacaneado por um amigo? [nesse caso, alguém que você achava que era amigo].

Algo interessante foi o uso de um argumento para o encontro do protagonista com a ‘mocinha’. Esse argumento é muito usado em ‘Novo Adulto’ e foi a primeira vez que vi isso em algo ‘Jovem-Adulto’, já que no primeiro gênero as fortes emoções estão mais presentes que no segundo, não é uma critica negativa, achei ousado e foi colocado de uma forma intrigante, como disse antes a autora não tratou os adolescentes de forma banal como as vezes acontece.

A história apesar de fazer pensar acabou não se aprofundando em nada e isso foi um pecado, acho que a autora tinha a faca e o queijo na mão para focar em algo, principalmente com a combinação – bebida + direção – é clichê, eu sei, mas talvez seja uma das maiores causa de acidentes.

Vou indicar a leitura, mas, por favor, não entrem achando que é ‘O’ livro. Ele é bom, tem coisas interessantes, tem uma fluidez bacana, mas poderia ter sido mais. O que prova que ainda tem coisas boas perdidas por aí, a leitura vai ser bacana e vocês vão passar um bom tempo com ele.

>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<