POISON BOOKS - Poseidon (Anna Banks)


Autor: Anna Banks
Tradutor: Carolina Caires Coelho
Editora: Novo Conceito
Série: Sim, livro 1 (série O Legado de Syrena)
Temas: Jovem-Adulto, Sereias, Comportamento
SINOPSE  Emma está de férias na praia quando ela litaralmente corre de encontro a Galen. Ambos sentem um conexão, mas vai demorar vários encontros incluindo um mortal com um tubarão para Galen se convencer dos dons de Emma. Agora se ele pelo menos pudesse convencer Emma de que ela segura consigo a chave para seu reino... Contado a partir de ambos dos pontos de vistas, Emma e Galen, aqui está uma história de peixe fora d'água, humor que intriga e ondas de romance.




>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Dou de cara com ele como se tivesse sido empurrada.”

RESENHA<<<
Mitologia sobre sereias é um prato cheio, são tantas coisas que não são exploradas ou que podem ser exploradas que eu sempre fico torcendo para ser algo no mínimo diferente na pior das hipóteses e na melhor que seja realmente um livro bom, porque né? A gente também quer ler algo legal.

Poseidon é fraco, muitos furos no enredo e uma história narrada na velocidade da luz, se durante as 300 páginas a história durar uns 30 dias é muito, mas vou deixar esse tempo porque pelo que o livro nos conta em alguns poucos momentos parece ser esse prazo. A vantagem é que a leitura flui muito rápido, afinal não é nada tão profundo, então para quem lê rápido, talvez em um dia (dois estourando) você termine de ler.

O livro começa com uma situação ruim, a morte de uma pessoa, mas não era qualquer pessoa e sim a melhor amiga da protagonista há quase 10 anos, não achei que a autora fosse colocar algo pesado em uma trama jovem-adulto, mas ela jogou essa bomba e mal a utilizou, pois nem nos sete dias seguintes e nem no mês de morte da melhor amiga a protagonista se toca muito, aliás, depois de algumas páginas da morte é como se a personagem nem tivesse existido. Não vi porque ter algo assim se não seria mais comentado, poderia ter sido uma pessoa qualquer... gente um melhor amigo da vida morreu, eu iria querer morrer junto, ficar abatida e tal, mas parece que isso foi o estopim para a menina santinha virar uma atirada....

Falando sobre a mitologia das serias, a autora ficou no básico, aquilo que todo mundo sabe e não foi explorar ou conhecer mais a causa do que queria escrever, era como se ela se contentasse em algo mais do mesmo, apesar de gostar do tema e saber que o mesmo é muito extenso, esperava ser surpreendida, já que não pesquiso a fundo sobre as mesmas, mas nada disso. A autora ficou com o que já conhecemos e nem deu uma ousada, exceto a parte do Titanic que foi muito surreal e eu pensei...’sério que tu quer me fazer engolir isso?’ #tenso

A velocidade com que as coisas acontecem não seria um problema, já li livros que duravam uma noite ou apenas 2 dias, falo da rapidez com que a história foi narrada, as coisas foram jogadas. Tudo bem que não tivemos nada inovador na mitologia, mas qualquer história sobrenatural precisa ser evoluída. Porque se alguém chega e me diz que sou sereia, vampiro, lobisomem e tal e eu acredito de cara, ou eu já sabia disso porque alguém da família contou, ou iria rir na cara do sujeito. Mas não ia dizer, uau que legal, agora posso respirar debaixo d’água...

O gancho para o livro dois é bonzinho, talvez a revelação das últimas linhas tenha fugido um pouquinho do padrão, mas pelo que eu já li do próximo livro e em relação à trama geral, não acho que no segundo as coisas possam melhorar, acho que vai continuar na vibe mais do mesmo.

>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<

Share:

0 comentários