POISON BOOKS - As Crianças Trocadas (Elle Casey)

Em 15 janeiro 2014
Autor: Elle Casey                                                                                                    

Tradutor: Claudia Dornelles
Editora: Geração Editorial
Série: Sim, livro 1 (série A Guerra dos Fae)
Temas: Jovem-Adulto, Fadas, Sobrenatural, Comportamento
SINOPSE - Jayne Sparks, rebelde e língua afiada de dezessete anos e seu melhor amigo, tímido e estudioso Tony Green tem uma existência muito típica de escola secundária, até que vários incidentes aparentemente não relacionados convergem, causando uma cascata de eventos que mudam suas vidas para sempre. Jayne e Tony, junto com um grupo de adolescentes em fuga, são sequestrados e enviados para uma floresta, onde nada e ninguém são o que parecem. Quem sairá triunfante? E o que eles serão quando o fizerem?


>>>PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Não Aguento mais essa porra de escola.”


RESENHA<<<
Eu sei que a gente sempre busca inovação na literatura e nada se cria, quase todos os assuntos já estão aí, a diferença agora é tentar uma nova visão ou buscar algo que ainda não foi tão explorado. Mas este livro está além da minha imaginação e não falo isso de forma positiva.

A autora conseguiu juntar uma espécie de Jogos Vorazes na floresta com elfos e criaturas fantásticas para descobrir quem tem sangue de fada (ou fae, como é chamado no livro). Mas a coisa é louca e sem sentido. Não conseguiu ser bacana nem como distopia (que é a ideia original) e nem no assunto que curto – as fadas. Enquanto lia, a única pergunta que me fiz foi ‘porque estou lendo isso aqui mesmo?’ e ao chegar ao fim da leitura, não sei porque me dei ao trabalho.

A estrutura e enredo são fracos. A ideia louca e mal aproveitada não evolui para lugar nenhum, a sensação é que pareciam várias galinhas loucas correndo atrás de bandeirolas [acampamento meio-sangue feelings?] e do nada você vai parar em algum lugar que nunca ouviu falar numa pesquisa de grupo...

Os personagens não nos despertam nenhum sentimento bacana, e olha que tem um monte, são vários personagens e do tipo dos mais variados, mas tomo como exemplo o casal de amigos que parte para essa aventura. A garota faz um estilo ‘quero-me-livrar-da-escola’ e o menino é nerd e resolvem sair pelo mundo. Cadê lógica e coerência nas ações?

A vida dos amigos era um bom pano de fundo para explorar e evoluir o livro, problemas na escola, com a família – principalmente com relação a algum adulto tentar alguma coisa – tem muito conteúdo a ser explorado, mas a forma como tudo foi feita foi jogada e acabamos com a sensação de que nada se liga com nada. Infelizmente.

Para alegria de todo mundo é uma série O.o, eu fico imaginando o que mais pode sair dali, a não ser mais coisas sem pé nem cabeça. Pensado bem, nem deveria ter sido lançado, faltou um melhor trabalho de estruturação, arrumação e coerência com os personagens e o mundo que a autora quis criar.

Eu fico apenas nesse livro, taí uma série que eu vou deixar passar e não estou nem um pouco triste de ter desistido de continuar...
           
>>>Nas redes sociais há mais venenos <<<