POISON BOOKS - Seis Coisas Impossíveis (Fiona Wood)

Autor: Fiona Wood
Tradutor: Ana Paula Corradini
Editora: Novo Conceito
Publicação: 2013
Páginas: 269
Capítulos: 35
Série: Não
Temas: Infanto-Juvenil, Comportamento
SINOPSE Dan Cereill levou um encontrão da vida: seu pai faliu, assumiu que é gay e separou-se de sua mãe, tudo de uma vez só. Enquanto isso, sua mãe recebeu de herança uma casa tombada pelo patrimônio histórico que cheira a xixi de cachorro, mas que não pode ser reformada... E, agora, Dan está vivendo em uma casa-relíquia que parece um chiqueiro, com uma mãe supertriste e sem conseguir falar com o pai — que ele ama muito. Suas únicas distrações são sua vizinha perfeita, Estelle, e uma lista de coisas impossíveis de fazer, como: 1. Beijar a garota. 2. Arrumar um emprego. 3. Dar uma animada na mãe. 4. Tentar não ser um nerd completo. 5. Falar com o pai quando ele liga. 6. Descobrir como ser bom e não sair abandonando os outros por aí... Mas impossível mesmo será: 1. Não torcer para que Dan supere seus problemas. 2. Não rir muito com os devaneios dele. 3. Não querer ter um cachorrinho como Howard. 4. Não desejar que a mãe de Dan encontre a felicidade. 5. Parar de ler este livro. 6. Não querer abraçar o livro depois de tê-lo terminado...


>>> OUTROS LINKS <<<

PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Conheço uma menina.”

RESENHA<<<
‘Seis Coisas Impossíveis’ é aquele tipo de livro que na sinopse te promete o mundo, mas a medida que você vai lendo, percebe que o melhor do livro ficou na sinopse porque aquela história maravilhosa (ou engraçada ou dinâmica ou surpreendente) que está lá, está só na sinopse mesmo, porque eu fiquei me perguntando o tempo todo enquanto lia, cadê o que me foi prometido?

O livro tinha muito potencial, seria um livro leve, engraçado e dinâmico, afinal se trata de um rapaz na faixa de 13 anos tendo que lidar com muitas coisas, a família perde tudo, seu pai fala que é gay, ele muda de escola, a mãe não parece feliz em descobrir sobre o ex-marido, dramas na escola...ufa! Já dá para escrever um livro. E com tantos assuntos fortes, principalmente a família perder tudo e o pai revelar ser gay, achei que a autora iria tratar disso com mais ênfase e claro com umas pitadas de comédia.

Mas a realidade é que o livro é bem fraquinho e chato. A autora deixou tudo muito no nível raso, não trabalhou seus personagens ou explicações, os outros ganchos ficaram tão esquecidos, que nem sei por que fazem parte da descrição do livro. O livro ficou focando o tempo todo no garoto sendo ‘sacaneado’, na escola, pela tal menina. Na boa, só tinha gente boba nesse livro. As boas partes como a da mãe dele e do cara que mora próximo, quase não apreciam e quando aparecia a gente esperava que fosse deslanchar e compensar todos os outros mimimis, mas que nada, novamente mais do mesmo.

Não consegui me simpatizar com o personagem principal, acredito que seja pela forma como ele foi trabalhado. A vida dele tinha tanta possibilidades para se desenrolar e a autor escolheu a mais chata de todas e o foco na vizinha Estelle, que também é outra personagem mala, mal trabalhada, não ajudou a melhorar a percepção.

O lado engraçado também não aconteceu, no início a gente acha engraçadinho algumas situações, mas depois de repetir sempre os mesmos dramas, a gente acaba não achando mais tudo isso e o jeito narrado, parece um diário (rapaz escreve diário?!), mas mal elaborado faz apenas com que a gente se sinta enrolado e cansado de ler o livro. Ainda bem que os capítulos são curtos, porque senão ia ser difícil terminar.

Quer saber dos venenos do blog? Acompanhe as redes sociais<<<

Share:

0 comentários