POISON BOOKS - Conquista (Ally Condie)

Em 18 outubro 2013
Autor: Ally Condie
Tradutor: Elise Olímpio
Editora: Suma de Letras
Publicação: 2013
Páginas: 352
Capítulos: 63
Série: Sim, livro 3 (série Destino)
Temas: Jovem-Adulto, Distopia, Relacionamento, Comportamento
SINOPSE Em uma Sociedade que não permite escolhas nem imperfeições, um pequeno erro pode ser o elemento que faltava para iniciar uma revolução. 'Conquista' é a continuação de Destino e Travessia. No livro, a autora retoma a história de Cassia Reyes, jovem que pertence a uma sociedade controlada por um Estado totalitário ainda que nele não haja pobreza e a população tenha acesso a direitos básicos, como alimentação, moradia e emprego. O futuro de Cassia não poderia ser mais incerto agora que ela resolveu seguir para as sombrias Províncias Exteriores, campo de extermínio dos cidadãos banidos pela Sociedade. Ela está à procura de Ky Markham, com quem desenvolveu uma relação proibida, e que havia sido aprisionado, com um destino que se encaminhava para a morte certa.


>>> OUTROS LINKS <<<

PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
Toda manhã o sol se levanta e torna a Terra vermelha, e eu penso: esse poderia ser o dia em que tudo muda.”

RESENHA<<<
Livro 3 e final da série Destino. Para conhecer toda a saga, clique:

É sempre uma alegria chegar ao final de uma saga, qualquer uma. Se for uma que você amou muito deixará saudades, caso seja uma que você vei empurrando, você vai se sentir aliviado. Neste caso não senti nenhum dos dois. Este livro em questão realmente fechou uma série. Não tivemos nada super revelador ou uma grande reviravolta, a autora fechou sua série de forma limpa e prática.

Não foi uma série pela qual morri de amores, mas também não odiei (senão não estaria aqui lendo o livro 3...rs), mas confesso que esperava alguma reviravolta ou um final mais inesperado. Afinal, sabemos que autores adoram inventar coisas mirabolantes ou trocar casais e informações. Mas isso não aconteceu por aqui, o que foi um fato positivo.

Conquista trouxe um final limpo e prático, evoluiu de acordo com o que lemos nos anteriores, claro que tinha algumas pontas soltas e foi isso que a autora fez, veio fechando duas ideias. As vezes com alguma poesia, mostrando que devemos pensar, agir, seguir, mesmo que seja independente de seguir ordens e entender os motivos.

O livro é narrado intercalando entre Cassia, Xander e Ky. Os três passam por muitas coisas juntos e separados. Nem sempre os três estão no mesmo lugar e mesmo quando estão juntos nada ocorre as mil maravilhas. Na verdade a Sociedade vai mal das pernas, mas a Insurreição também não é a melhor alternativa. E essa descoberta de quem será melhor e as revelações de vida antes, durante e depois da Sociedade foi o mais retratado.

Eu já disse que os livros de distopia seguem uma ideia e aqui não foi diferente, apesar da Cassia não ser propriamente o pivô da revolução, ela está indiretamente ligada à isso. E bem como algo que tenho passado a observar, de modo geral as distopias sempre se revelam como uma grande experiência (como se algum canto do mundo tivesse sido separado do resto e ali eles criam a sociedade ou qualquer que seja o nome e vê a população evoluindo ou não de acordo com os padrões).

Foi um bom final, nada revolucionário, mas para quem estava acompanhando vale saber como os personagens terminam. E eu gostei do final dos três. Nisso a autora não tentou fazer grandes reviravoltas e a forma como ela explica é bacana, simples, mas honesta.


Quer saber dos venenos do blog? Acompanhe as redes sociais<<<