POISON BOOKS - Todo Dia (David Levithan)

Em 04 setembro 2013
Autor: David Levithan
Tradutor: Ana Resende
Editora: Galera Record
Publicação: 2013
Páginas: 277
Capítulos: --
Série: Não
Temas: Jovem-Adulto, Ficção
SINOPSE Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.


>>> OUTROS LINKS <<<

PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Acordo.”

RESENHA<<<
Todo dia uma pessoa diferente, todo dia um corpo diferente e todo dia ele/ela se pergunta por que é assim. A ideia é boa e interessante, mas o jeito que o livro foi escrito acabou tornando a história bem repetitiva e o tal romance foi bem mais do mesmo, esperava mais coisas pelo que andaram falando do livro/ autor.

Acho que o que mais curti foi o fato de que o autor não tem papas na língua e suas entrelinhas são um show a parte, ele fala de sexualidade, de temas tristes como trabalho infantil e até mesmo da questão estética. Cada dia que A (essa consciência que não sabemos se é homem ou mulher) passa na vida de alguém, o autor mostra um pouquinho da realidade que existe no mundo e isso com certeza foi o ponto alto.

Dizem que o autor levanta a bandeira da homossexualidade e trata disso em todos os seus livros, por isso até espera mais demonstrações de afeto ou situações desse tipo, mas foi bem tranquilo. Se você está com medo de ler devido a esses fatos, pode ler tranquilamente.

Em ‘Todo Dia’ o autor trata mais de relacionamento, afinal cada dia A está em um corpo diferente, ele(a) não se define como homem ou mulher, ele(a) apenas é e acabou. Eu até entendi essa parte, mas quando entrou o lado romântico, onde se apaixona por Rhi, para mim perdeu um pouco da essência que ele quis passar e nesse ponto a história se tornou repetitiva.

A leitura é bem rápida e flui de forma tranquila, confesso que o final deixou alguns pontos em aberto e fiquei me perguntando se não seria uma série, mas me garantiram que não. Esse livro é único (existe um prequel falando de uns momentos antes), mas acredito que se um dia o autor quiser continuar a escrever sobre as aventuras de A, ele deixou um gancho interessante. Aí fica até uma questão, se ele realmente não for escrever, ele acabou o livro bem no meio de algo.

“Já presenciei essa situação muitas vezes. A devoção gratuita. Preferir o medo de estar com a pessoa errada por não ser capaz de lidar com medo de ficar sozinho.” – pag 13/14

“Por uma razão qualquer, nós nos concentramos nos dois por cento da diferença, e a maior parte dos conflitos que acontecem no mundo é consequência disso.” – pag 70 (falando sobre religiões)

Postagem especial #SemanaGaleraRecord

Quer saber dos venenos do blog? Acompanhe as redes sociais<<<