POISON BOOKS - Joe Golem e a Cidade Submersa (Mike Mignola, Christopher Golden)

Em 09 setembro 2013
Autor: Mike Mignola & Christopher Golden
Tradutor: Eic Novello
Editora: Gutenberg
Publicação: 2013
Páginas: 270
Capítulos: 24
Série: Não
Temas: Infanto-Juvenil, Distopia, Ficção
SINOPSE Em 1925, terremotos e a elevação do nível do mar deixaram o Sul da ilha de Manhattan sob mais de trinta metros de água. Com isso, ela ganhou dos moradores o nome de cidade submersa. Muitos deixaram a cidade, mas aqueles que não estavam dispostos a abandonar o lar tiveram de recomeçar a vida nas ruas, agora transformadas em canais, e em prédios cujos três primeiros andares acabaram ficando debaixo d’água. Cinquenta anos se passaram desde então, e a cidade submersa está cheia de mendigos, pedintes e “ratos d’água”, pessoas pobres que têm de se virar para conseguir sobreviver, além de outras orgulhosas ou teimosas demais para se deixarem ser derrotadas pelas circunstâncias. Entre elas estão Molly McHugh, uma garota de 14 anos, e seu amigo e chefe Felix Orlov. Felix, o Conjurador, que no passado foi um mágico famoso, agora está velho e ganha a vida como médium, fazendo a ponte entre os espíritos dos mortos e seus entes queridos que ficaram e sofrem com o luto. Quando uma de suas sessões dá terrivelmente errado, Felix Orlov acaba raptado por estranhos homens que usam máscaras de gás e vestem roupas de borracha. Molly consegue escapar, e sua fuga a levará ao encontro de um homem enigmático e seu fiel companheiro, Joe Golem, cujo passado é um mistério até para ele mesmo, e que caminha em seus sonhos como um homem feito de pedra e barro, trazido à vida com o único propósito de caçar bruxas.

 
>>> OUTROS LINKS <<<


PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Orlov, o conjurador, sonha que é um fantasma.”

RESENHA<<<
Apesar de distopia não ser meio gênero favorito, tentei variar o período e sair um pouco dessa coisa amorosa que rola com o Jovem-Adulto, embarcando no mundo sombrio de ‘Joe Golem’. Mas essa mistura não rendeu tão bem quanto imaginei que seria ao ler a sinopse.

A história na verdade apresenta um distópico no passado(?), onde aconteceram calamidades e a cidade de Nova York ficou inundada dividindo o ‘uptown’ e o ‘donwtown’, onde o segundo está alagado e a população mais humilde e os largados habitam e a história se desenrola a partir disso.

A ideia até seria boa, se ela não misturasse tantas coisas que parecem não fazer parte. Como um passado longínquo com bruxas, seres de outros mundos, experiências sem pé nem cabeça e uma narrativa que cansa só de lembrar. Foram misturas demais e pouca história.

Os personagens não me cativaram, apesar de Molly ser uma menina interessante, a personagem parecia sem sentido, o mago Orlov que a princípio parece ser o centro das atenções, nos é apresentado de uma forma estranha e se apaga aos poucos e Joe (que é o protagonista pelo título) é daquele tipo de protagonista que fica meio apagado. Mas esse fato se deve pela história dele ser muito a parte nessa aventura.

O lado sombrio que os autores quiseram dar não funcionou muito, não porque tenha ficado sombrio demais, mas sim porque acabou tornando a coisa chata e arrastada. A história não flui, e olha que os capítulos nem são tão grandes assim e em muitas páginas há um desenho (que sinceramente não entendi porque a grande maioria estava ali).

A sinopse promete muita ação, aventura e um algo a mais sombrio, mas as minhas expectativas foram por água abaixo depois de alguns capítulos, a história simplesmente não funcionou e nem digo pela distopia (que sinceramente não acho que se enquadre nesse gênero), mas pelo contexto de tudo que foi apresentado. Faltou empatia.

Quer saber dos venenos do blog? Acompanhe as redes sociais<<<