BOOKS || A Improvável Jornada de Harold Fry (Rachel Joyce)

Autor: Rachel Joyce
Tradutor: Johann Heyss
Editora: Suma de Letras
Série: Não
Temas: Adulto, Romance,
Vencedor do britânico National Book Award na categoria de melhor livro de estreia e finalista do prestigiado Man Booker Prize, A improvável jornada de Harold Fry, de Rachel Joyce, tem como temas centrais os sentimentos de amor, amizade e arrependimento. A autora conta a história do aposentado Harold Fry que numa manhã de sol sai de casa para colocar uma carta no correio, sem imaginar que estava começando uma jornada não planejada até o outro lado da Inglaterra. Ao receber uma carta de Queenie Hennessy, uma velha conhecida com quem não tem contato há décadas, ele descobre que ela está em uma casa de saúde, sucumbindo ao câncer. Então, Harold Fry escreve uma resposta rápida e, deixando sua mulher com seus afazeres, vai até a caixa postal mais próxima. Ali, tem um encontro casual que o convence de que ele deve entregar sua mensagem para Queenie pessoalmente. E assim começa a peregrinação improvável de Harold Fry. Determinado a andar 600 milhas de Kingsbridge à Berwick-upon-Tweed, porque, acredita, enquanto caminhar, Queenie Hennessy estará viva, ao longo do caminho, ele encontra personagens fascinantes, que o trazem de volta memórias adormecidas: sua primeira dança com Maureen, o dia do seu casamento, a alegria da paternidade. Todos os resquícios do passado vêm correndo de volta para ele, permitindo-lhe conciliar as perdas e os arrependimentos.
PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“A carta que viria a mudar tudo chegou numa terça-feira.”

RESENHA<<<
A sinopse tinha um Q de autoajuda, mas por se tratar de uma busca ou de algum tipo de melhoria, imaginei que poderia ser tratar de algo divertido ou até mesmo diferente do que imaginei, mas 'A Improvável Jornada de Harold Fry' não estava para nadadoras, infelizmente.

O livro até começa com uma premissa bacana. Fala de um cara comum, até mesmo relativamente chato, mas que ao receber uma carta, acha que a vida vai mudar. Na verdade ele tenta mudar a vida com uma jornada louca, mas a coisa simplesmente não flui.

O enredo não ajudou. Apesar de ter uma premissa interessante, o autor não soube conduziria história e com isso ficamos cansados e saturados logo nós primeiros capítulos. A história não rendeu e ficou dando voltas no mesmo tema e momento. Levaram-se muitos capítulos para dizer uma coisinha de nada. Senti-me enrolada.

Outra coisa que realmente não ajudou, foram os personagens. A família de Harold, por mim poderia ter passado em branco ou nem ter sido comentada, mas o próprio protagonista não ajuda. Nenhuma empatia, nenhum momento interessante ou de fatos história não merecia ser contada. É difícil seguir qualquer história quando o personagem principal não nos ajuda a querer descobrir mais de sua história, de seus desejos e das mudanças.

O meu limite para esse livro foi a página 100. Não sei se a partir daí a coisa melhora, mas para um livro curto como esse, acredito que o enredo e os personagens precisam te pegar logo de jeito nas primeiras páginas, senão acaba que nada flui e você se sente frustrado. E infelizmente, foi assim que me senti ao ler este livro.

Share:

0 comentários