POISON BOOKS - As Treze Relíquias (Michael Scott, Colette Freedman)

Autor: Michael Scott e Colette Freedman
Tradutor: Aline Klesck
Editora: Planeta
Publicação: 2013
Páginas: 411
Capítulos: 104
Série: Ainda sem essa informação
Temas: Adulto, Mistério, Suspense
SINOPSE Há mais de sete décadas treze crianças foram designadas para cuidar de artefatos antigos, dotados com um poder primitivo e letal. As relíquias, como foram chamadas, deveriam ser mantidas por seus guardiões em total segurança e afastadas umas das outras. Entretanto, agora um homem sinistro e sua amante estão atrás delas, roubando cada peça e eliminando seus protetores, deixando um rastro de crimes violentos. Aparentemente por acaso, a jovem Sarah Miller se envolverá nessa trama perigosa e terá que correr contra o tempo para elucidar os enigmas que rondam sua nova vida. Serão os guardiões seres de outro mundo? Qual será o segredo das relíquias milenares? Por que justamente Sarah foi atraída para esse jogo mortal? Uma história inquietante, povoada de lendas que até hoje rondam nosso imaginário, As treze relíquias mostra que há forças que nunca devem ser despertadas.


>>> OUTROS LINKS <<<

PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Uma mulher morreu.”

RESENHA<<<
E quando a sinopse não te fala exatamente o que o livro conta ou a resenha das pessoas são confusas e você não consegue entender porque elas curtiram o livro ou odiaram. Ai essa coisa de resenhar contando a história e não falar nada...rs

Eu fiquei relutante em começar esse livro, protelei, enrolei, mas eu tinha curtido a capa e achei que era algo completamente diferente, mais para infanto ou jovem-adulto do que de fato é a coisa. O livro fala de ação, buscas, mortes, muitas mortes e de forma meio brutal até. Tem um lance de sexo, então ele não tem nada de criança, as coitadas só são lembradas na história, nem sei porque fiquei pensando nelas.

O ritmo é ágil, aliás, é a jato. Mas são muitos personagens e a investigação é feita por amadores, se eles ficam perdidos a gente também acaba ficando. Mas para nossa alegria o livro é narrado em 3ª pessoa, então sabemos tudo que está acontecendo ao mesmo tempo. O vilão é ruim até a alma, mas a busca pelos itens é poderosa e traz muitas vantagens para ele, mas se preparem para os piores momentos e os mais nojentos. Eles não medem esforços para ter o que querem. Mesmo que isso inclua matar.

A protagonista passa por muitas fases, começa meio lerda, evolui, volta a estaca zero, fica interessante, sente raiva e vai atrás, começa a ficar inteligente e por aí vai, é uma grande reviravolta. Muitas coisas acontecem com a coitada, talvez na vida real ela ia acabar em um sanatório ou seria morta, mas ela se agarra as poucas informações que tem e vai descobrir os verdadeiros motivos e para piorar a policia acha que ela é uma serial killer.

Há outros personagens que aparecem para ajudá-la. Começando com uma senhora que o grande início de tudo, até pessoas esporádicas que se lembram de detalhe das informações que a protagonista descobre solta por aí. Por isso para quem acha que no final vai rolar uma coisa amorzinho, já falo logo para esquecer e tirar o cavalinho da chuva, romance passa longe (muito longe) daqui.

O final foi algo que está me deixando sem saber o que pensar. Em minha opinião, não há necessidade nenhuma de termos uma continuação, porque vamos concordar, histórias que envolvem buscas por artefatos misteriosos é algo que aquela pessoa descobre e depois irá passar anos, décadas, às vezes até centenas de anos para serem novamente descobertos (a ideia segue uma vibe meio código da vinci - a busca por algo que poucas pessoas sabem e ninguém acredita que seja verdade). Mas há umas informações perdidas de que em breve teria um livro 2. Mas concordo que o final foi um pouco corrido e poderia ter algumas páginas a mais para desenvolver com mais calma o desfecho.

Quer saber dos venenos do blog? Acompanhe as redes sociais<<<

Share:

0 comentários