POISON BOOKS - Vovó Vigarista (David Walliams)

Autor: David Walliams
Tradutor: Edmundo Barreiros
Editora: Intrínseca
Publicação: 2013
Páginas: 239
Capítulos: 34
Série: Não
Temas: Infantil, Aventura
SINOPSE Se você acha que toda vovozinha é igual, precisa conhecer a avó de Ben. Ela poderia se passar por uma senhorinha qualquer: é velha, usa um casaquinho lilás e faz palavras-cruzadas. Toda sexta-feira Ben dorme na casa dela, e isso para ele é o fim. No jantar sempre tem repolho, a tevê nunca funciona e a avó o faz ir para a cama às oito da noite. E no dia seguinte nem tem aula!
Como qualquer outro menino, Ben acha tudo isso chato demais. Ou pelo menos achava, até descobrir que a coisa toda não passa de um disfarce: vovó, na verdade, é uma vigarista internacional, a ladra de joias mais procurada do mundo. Agora, juntos, eles vão planejar o maior roubo de todos os tempos.
Você, é claro, vai rir bastante. E pode até chorar. Mas nunca, nunca mais vai pensar em vovós como antes.


>>> OUTROS LINKS <<<

PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“– Mas a vovó é tãããão chata! – disse Ben.”

RESENHA<<<
Eu estava empolgada para ler ‘Vovó Vigarista’, a capa, suas ilustrações e até a pequena sinopse me despertou, acho que estava esperando uma coisa meio Banguela, onde o jovem Soluço conta seus anos de infância e tem alguns (muitos) momentos de aventura com seus amigos e o famoso dragãozinho. Mas Vovó não conseguiu me encantar. A história pecou em muitos pontos.

Não importa para quem a história se destina, eu preciso acreditar no que o autor está querendo passar em suas páginas... pode ser algo em um reino louco? No mundo de fantasmas? Sereias? Monstros? Aceito todos eles, desde que sua história seja condizente com isso, caso contrário já vou ficar desacreditada e as chances de curtir só tende a diminuir.

O que aconteceu com essa história me fez questionar muitas coisas. O personagem principal – Ben, não conseguiu me atrair para o seu mundo. O autor fala tão pouco dele. Fala que ele não curte ficar com a avó e quem gosta de ficar com adultos? Principalmente sendo a vó uma pessoa com gostos estranhos. Os pais dele me pareceram mais engraçados e gente boa do que o próprio menino que é o personagem principal.

Mas o fato é que a história se arrasta e é um pouco repetitiva até chegar o tal X da questão, a avó ser vigarista, ou melhor, uma ladra de joias. Mas é aí que a história rumou para algo surreal. Entendi o motivo final de tudo isso, mas o autor criou situações e coisas que não seguem uma linha, ele não me fez acreditar que a vovó poderia ser vigarista, ele só jogou essa informação em nós e tivemos de engolir.

Talvez para os muitos pequenos, na faixa de 5 anos. O livro seja bacana e ideal, mas para quem está um pouco acima disso, mesmo que não questione os fatos loucos, pode não se interessar por Ben, ele não foi o tipo de protagonista que atrai, faltou um algo a mais.

Vendo vídeos do autor autografando, percebi que essa é a faixa etária para quem ele escreve (algo até uns 7 anos). Acho que errado foi incluir infanto-juvenil. Ele é infantil mesmo. Falando em vídeos, esse autor curte escrever coisas engraçadas e meio loucas para crianças e o bacana é que os livros não são séries, então aqui temos início, meio e fim.

Quer saber dos venenos do blog? Acompanhe as redes sociais<<<

Share:

0 comentários