POISON BOOKS - Inferno (Dan Brown)

Em 05 julho 2013
Autor: Dan Brown
Tradutor: Fernanda Abreu, Fabiano Morais
Editora: Arqueiro
Publicação: 2013
Páginas: 442
Capítulos: 104
Série: Não
Temas: Suspense, Ficção
SINOPSE Neste fascinante thriller, Dan Brown retoma a mistura magistral de história, arte, códigos e símbolos que o consagrou em "O Código Da Vinci", "Anjos e Demônios" e "O Símbolo Perdido" e faz de Inferno sua aposta mais alta até o momento. No coração da Itália, Robert Langdon, o professor de Simbologia de Harvard, é arrastado para um mundo angustiante centrado numa das obras literárias mais duradouras e misteriosas da história: O Inferno, de Dante Alighieri. Numa corrida contra o tempo, ele luta contra um adversário assustador e enfrenta um enigma engenhoso que o leva para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística. Tendo como pano de fundo poema de Dante, e mergulha numa caçada frenética para encontrar respostas e decidir em quem confiar, antes que o mundo que conhecemos seja destruído.


>>> OUTROS LINKS <<<

PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Eu sou a sombra.”

RESENHA<<<
Apesar de não ter resenhado tudo que li do autor, conheço todas as histórias de Dan Brown, eu até curto as ideias e situações mirabolantes que Robert se encontra, mas vamos concordar que o autor tem uma fórmula de escrita e isso tem um ponto positivo e um negativo.  Positivo porque se você ama já sabe o que vai encontrar e se joga com vontade, mas o negativo é que se você lê uma vez, duas e acha repetitivo, pode não voltar para ler uma terceira.

E depois de ler Anjos, Código e Símbolo (fora os outros, mas esses não são casos do Robert), a fórmula parece sempre se repetir e esse livro, mais do que os anteriores me passou uma sensação de ‘o livro é mais para ser encenado – virar filme/série de tv – do que propriamente para ler’.

Sou arquiteta e adoro descrições e detalhes das coisas, ainda mais de lugares que já fui ou desejo ir, mas quando esses detalhes entram no meio da ação, a ponto do autor parar uma cena para explicar e depois voltar a ela tem alguma coisa muito errada por aí.

O livro foca novamente em ‘A Divina Comédia’ (mais uma vez esse livro parece ser o badalado do momento), mas ele se foca na parte do Inferno (daí o nome do livro). O ponto diferente é que Robert perdeu a memoria, então precisa começar tudo do zero, ele não sabe exatamente o que ou quem está procurando e claro, sua expertise em linguagens é o que o salva e ao mundo do caos total.

Não vou dizer que a história é chata ou ruim, tem um tanto de ciência louca, algo de armagedom, eu curti e vale a pena a leitura, só deixo em alerta as ressalvas feitas anteriormente. Tirando a parte didática, que foi irritante, a história nos levou por locais poucos comuns, ficamos bastante tempo na Itália atrás de pistas para nos ajudar a entender o que realmente está acontecendo. Afinal ele só tem fragmentos de memórias.

O bacana dessa história foi que ela se expandiu para outros países e o vilão foi mais intrigante que os anteriores, porque na verdade é mais uma ideia do que uma pessoa. Mas mesmo essa ideia sendo uma vilã, é algo para se pensar. Principalmente porque alguns pontos são levantados e de certa forma intrigantes.

Para quem curte Dan Brown nem precisa fazer um convite para a leitura né? Para quem não curtiu muito, acho que pode dar uma chance porque foi baseado em uma obra real e não em teorias de conspiração como os anteriores.

Quer saber dos venenos do blog? Acompanhe as redes sociais<<<