POISON BOOKS - Procura-se Um Marido (Carina Rissi)

Em 04 janeiro 2013
Autor: Carina Rissi
Tradutor: ---
Editora: Verus
Publicação: 2012
Páginas: 472
Capítulos: 55
Série: Não
Temas: Adulto, Romance, Chick-lit
SINOPSE -  Alicia sabe curtir a vida. Já viajou o mundo, é inconsequente, adora uma balada e é louca pelo avô, um rico empresário, dono de um patrimônio incalculável e sua única família. Após a morte do avô, ela vê sua vida ruir com a abertura do testamento. Vô Narciso a excluiu da herança, alegando que a neta não tem maturidade suficiente para assumir seu império – a não ser, é claro, que esteja devidamente casada. Alicia se recusa a casar, está muito bem solteira e assim pretende permanecer. Então, decide burlar o testamento com um plano maluco e audacioso, colocando um anúncio no jornal em busca de um marido de aluguel. Diversos candidatos respondem ao anúncio, mas apenas um deles será capaz de fazer o coração de Alicia bater mais rápido, transformando sua vida de maneiras que ela jamais imaginou. Cheio de humor, aventura, paixão e emoções intensas, Procura-se um marido vai fisgar você até a última linha.

>>> OUTROS LINKS <<<


PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“A balada não foi das melhores naquela noite.”

RESENHA<<<
Todo mundo sabe que eu não sou muito fã de chick-lit, mas quando curto o jeito de escrever de um autor acabo ficando de olho em seus livros para ver o que mais pode vir por aí e foi o caso da autora Carina Rissi, confesso que não tinha dado nada pelo seu livro anterior – Perdida – mas achei o jeito dela de escrever tão irreverente e a personagem era ‘gente como a gente’ que valia se aventurar nesse novo romance.

Desse novo livro continuei amando mesmo a escrita, a autora tem um jeito leve, ágil e fácil com as palavras, mas a história não me prendeu tanto assim. A personagem principal – Alicia não me convenceu como um baladeira antenada e ‘cool’, estava mais para alguém tipo coca-cola (só faz pressão), durante o livro a autora fala que ela fez e aconteceu, mas nunca conta muito sobre os eventos, talvez não deveria ter mencionado e a idade dela com suas atitudes não combinavam. Mesmo nas páginas finais não consegui deixar de pensar nela como uma menina mimada e chatinha.

Já a melhor amiga – Mari, ganhou todas as minhas simpatias. Aparecia nos momentos certos e quase ouso dizer que ela brilhava mais do que a protagonista quando aparecia. Ela foi o que todo mundo é/passa. Têm momentos alegres, loucos e os sérios, as preocupações e ajudas que só os melhores amigos sabem dar. Não sei em quem a autora se baseou para escrever essa personagem, mas com certeza foi em alguém fora de série.

E não tem como não falar de Max – o príncipe encantado – não que eu não tenha curtido o personagem, ele é honrado, de bom coração, poucos personagens são assim e faltam personagens assim na literatura, mas ele não me convenceu como príncipe encanto. Nem mesmo nos momentos que ele está com Alicia, a coisa não aprece ter química.

A história é amarradinha e o lance do testamento tem sua graça, alguns personagens se destacam mais que outros, mas isso é comum em qualquer livro. No geral eu gostei da história, e mesmo não querendo fazer comparações, ficou impossível não fazer isso com seu livro anterior. Não sei se foi porque antes os personagens eram mais reais e esses estavam meio artificiais ou foi o enredo que me agradou mais. Mas vale ler, como disse, a autora tem um jeito de escrever que poucos têm.

Quer saber dos venenos do blog? Acompanhe as redes sociais<<<
FORMSPRING || TWITTER || FEED || FACEBOOK || YOUTUBE || TUMBLR || CONTATO