BOOKS || A Linguagem das Flores (Vanessa Diffenbaugh)

Autor: Vanessa Diffenbaugh
Tradutor: Fabiano Morais
Editora: Arqueiro
Série: Não
Temas: Romance, Adulto
Victoria Jones sempre foi uma menina arredia, temperamental e carrancuda. Por causa de sua personalidade difícil, passou a vida sendo jogada de um abrigo para outro, de uma família para outra, até ser considerada inapta para adoção. Ainda criança, se apaixonou pelas flores e por suas mensagens secretas. Quem lhe ensinou tudo sobre o assunto foi Elizabeth, uma de suas mães adotivas, a única que a menina amou e com quem quis ficar... até pôr tudo a perder. Agora, aos 18 anos e emancipada, ela não tem para onde ir nem com quem contar. Sozinha, passa as noites numa praça pública, onde cultiva um pequeno jardim particular. Quando uma florista local lhe dá um emprego e descobre seu talento, a vida de Victoria parece prestes a entrar nos eixos. Mas então ela conhece um misterioso vendedor do mercado de flores e esse encontro a obriga a enfrentar os fantasmas que a assombram. Em seu livro de estreia, Vanessa Diffenbaugh cria uma heroína intensa e inesquecível. Misturando passado e presente num intricado quebra-cabeça, A linguagem das flores é essencialmente uma história de amor – entre mãe e filha, entre homem e mulher e, sobretudo, de amor-próprio.
PRIMERA FRASE DO LIVRO<<<
“Durante oito anos, sonhei com fogo.”

RESENHA<<<
Talvez não consiga passar metade da emoção que tive ao ler este livro na resenha, mas vou tentar descrever tudo que vocês podem encontrar por aqui.

Ao contrário do que o título sugere, não é um livro cor-de-rosa, ele fala da vida dura dos orfanatos e famílias que entram no sistema para receber cheques do governo e cuidarem das crianças (o livro é americano e lá as famílias que quiserem se candidatar a receber os órfãos, recebe esse cheque por criança). É uma vida difícil, onde todos por mais que queiram te ajudar sabem que 1 a cada 10 vão ter chances reais na vida. E só vão ter qualquer chance se a assistente social e a própria criança quiser algo.

Victoria já passou por algumas famílias e viveu anos em orfanatos, mas o que ela mais se recente foi onde há 10 anos a vida dela poderia mudar se coisas não tivessem acontecido. Na verdade a vida dela mudou, se foi para melhor ou pior só no decorrer das páginas conseguimos entender que se algumas coisas tivessem sido diferentes, talvez tudo fosse diferente agora.

Victoria completa 18 anos e é obrigada a sair do orfanato sendo exatamente onde começa o livro, acompanhamos a luta dela para conseguir um emprego, se envolver, saber confiar as pessoas, todo o sofrimento que ela passa e até as coisas boas que ela desperdiça por bobeira. E as flores tem uma linguagem especial nisso tudo. A história por trás das flores é tão bela e trágica quanto a de Victoria.

É um livro cheio de emoções, torcemos por Victoria, também a odiamos em certos momentos, entendemos que às vezes é difícil se  entregar a qualquer coisa quando se já sofreu demais na vida ou ficamos com medo de nos machucarmos. Mas acho que o maior aprendizado do livro é o querer. Mesmo quando nós sabemos que não podemos seguir, será que sabemos que realmente é hora de desistir? Ou é apenas o momento da pausa?

Este livro de emoções tão conflitantes tem tantas coisas com a vida real, que ao termina-lo fiquei repassando na minha vida, vendo as escolhas que fiz ou as que abri mão. Realmente é daqueles para se pensar. Acredito que quem está apenas acostumado a ler Jovem-Adulto não irá gostar do livro. Não que a linguagem seja profunda ou complicada, mas não tem as coisas fúteis e as brigas de garotas/garotos que sempre se encontra nesse tipo de livro. Aqui é vida real nua e crua.

“Qualquer pessoa pode se transformar em algo belo.” Essa é a frase do subtítulo do livro e com certeza ela é verdade, basta apenas querer. E mesmo quando parecer que não vai ter mais nenhuma saída, as coisas vão se transformar positivamente. Basta dar uma chance.

Realmente aconselho a leitura do livro, mas prepare-se para ficar pensando na sua vida e ter fortes emoções.

Share:

0 comentários