POISON BOOKS - Perdida (Carina Rissi)

Em 20 abril 2012

Autor: Carina Rissi
Tradutor: --
Editora: Barauna
Publicação: 2011
Páginas: 472                                                                                  
Capítulos: 46
Série: Não
Temas: Romance, Lit. Nacional
SINOPSE - Sofia vive em uma metrópole, está habituada com a modernidade e as facilidades que isto lhe proporciona. Ela é independente e tem pavor a menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são os que os livros lhe proporcionam. Mas tudo isso muda depois que ela se vê em uma complicada condição. Após comprar um novo aparelho celular, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século XIX, sem ter ideia de como ou se voltará. Ela é acolhida pela família Clarke, enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de voltar para casa. Com a ajuda de prestativo Ian, Sofia embarca numa procura as cegas e acaba encontrando algumas pistas que talvez possam leva-la de volta para casa. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos....


>>> OUTROS LINKS <<<
SKOOB || GOODREADS


PRIMEIRA FRASE DO LIVRO<<<
“Eu sabia que devia ter voltado para cama assim que saí de casa e tentei pegar um táxi – era dia de rodízio.”

RESENHA <<<
Antes de ler este livro, só lendo a sinopse e o que as pessoas diziam por aí sobre ele, eu imaginei que ele era muito parecido com a série Outlander, pois a personagem de lá Claire, também volta no tempo e aí toda a história começa a acontecer.

Em Perdida, apesar de ser focado em voltar no tempo não é isso que a história nos passa, é um conto de fadas, estilo Disney, na verdade me lembrou muito o filme Encantada, só que ao invés da princesa sair em Nova York, a personagem principal – Sofia – acaba indo para nos contos de fadas, leia-se voltar a 1830.

Gostei de Sofia, tem muito a ver comigo... fala o que sente, fica pensando mil vezes sobre os assuntos, quer tentar minimizar os danos, vai atrás do que quer e luta pelas coisas. Claro que ela tem momentos mimimis e todas as personagens irão ter. Mas ela é engraçada e isso ajuda muito.

Não tem como não falar do Ian, um cavalheiro, lorde inglês... onde esses caras se escondem? Só pode ser nos livros mesmos porque fora deles... [melhor nem continuar] e as brigas deles eram a coisa mais legal da história. Porque imagina chegar em 1830 e ver uma menina falando coisas ousadas? E Falando que dane-se a reputação? Acho que o mais legal dessa coisa de viagem no tempo são os diferentes costumes entre os tempos.

Mas exatamente os costumes e o jeito de falar que acabou me deixando um pouco sem saber se realmente a história se situava em 1830. Faltaram palavras rebuscadas e um tratamento mais formal. Se você abrir o livro sem ler a sinopse ou algo que você já sabe que será no passado, você nem vai se sentir lá. Porque o que vi foi um pessoa educada falando sem gírias, afinal em 1800 e pouco o uso de vosmicês e outras coisas do gênero, senti muita falta.

E outro ponto foi que a personagem volta no tempo para aprender sobre a tecnologia não ser tudo nessa vida, mas a autora não mostrou o dia-a-dia de uma casa no século XIX, levantar cedo, buscar as coisas. Ela se preocupou apenas com bailes e fitas e fez as meninas de lá serem avoadas.

Gostei do livro e recomendo, tem ação, romance, gente doida. Só pecou no quesito história. Se ela se passasse nos anos 20 ou em uma cidadezinha do interior quase seria a mesma coisa. Ian é um rapaz educado e não alguém que vivia no século XIX.


Quer saber dos venenos do blog? Acompanhe as redes sociais <<<