BOOKS || Halo (Alexandra Adornetto)

Autor: Alexandra Adornetto
Editora: Agir
Tema: Jovem-Adulto, Anjos

Três anjos são enviados à Terra com planos de se misturarem aos humanos para assegurar a paz e trazer a bondade. Gabriel, o Herói de Deus, um antigo guerreiro que se disfarça de professor de música; Ivy, serafim abençoada com poderes de cura; e Bethany, a mais nova e inexperiente do grupo, enviada como uma jovem estudante para aprender sobre a humanidade. Após Bethany se encantar com a vida humana, ela começa a viver todas as experiências de uma adolescente normal, até se apaixonar por um rapaz e coloca toda a missão em risco. As forças do mal se aproveitarão dessa situação para pôr seus planos malignos em prática. Um romance de tirar o fôlego, que responderá a pergunta: será que o amor é forte o suficiente para vencer as forças do mal?
RESENHA:
Momentinho angelical forte aqui no blog, afinal este ano já passaram alguns livros de anjos e meio que se torna impossível não fazer comparações entre as sagas (como acontece com as de vampiros), mas o que vai diferenciar uma da outra? Bom, eu acredito que a empatia e o quanto gostamos de cada personagem nos determinados livros.

Chega de blábláblá e vamos falar sobre um livro muito falado neste ano – HALO.

Well, eu gostei da história, achei simpática, fofa e com um enredo bacana. Seus personagens são interessantes e há grandes chances deles evoluírem bastante, afinal a autora ainda está escrevendo a série e a chance de melhorar os próximos livros é grande.

Os anjos aqui são tratados como seres bem mais próximos dos humanos, ao virem habitar a Terra deixam o lado passivo (pois eles acompanham os seres humanos em suas rotinas diárias mas não sentem/sofrem, ou seja, não vivem o momento com eles) para mergulhar nos sentimentos e dramas de nós, os meros mortais.

Dos 3 anjos que vem à Terra – Gabriel (sim, o arcanjo), Ivy e Bethany – Apenas a jovem Beth é a única que nunca esteve em nenhuma missão terrena e por isso tudo para ela é mais intenso, aprender as coisas que para nós são consideradas normais, para ela é mais difícil de acompanhar e entender todo o contexto que envolve o ser humano.

E esse é um primeiro ponto de discórdia e confusão da autora. Pois num momento os anjos precisam aprender a se acostumar a se tornar humana e alguns momentos depois ela se esquece de aprendizado lento e age como se já estivesse acostumada com aquilo.

“Passamos aquelas primeiras semanas hibernado e nos orientando. Fizemos um balanço dos acontecimentos, esperamos pacientemente enquanto nos adaptávamos a nossa forma física, e mergulhamos nos rituais da vida cotidiana....” – página 12

Acredito que o motivo da confusão seja porque ela não conseguiu explicar de uma forma clara que o processo de aprendizado dos anjos é bem mais rápido que o nosso (ou pelo menos foi assim que eu entendi), apesar de significativamente não fazer grandes diferença na história, vale a pena mostrar esse ponto.

Dos 3 anjos, quem eu mais gostei e que melhor foi representado foi Gabriel; misterioso, interessante e uma mistura de divino/mortal muito bem caracterizado, acho que ele conquistou muito mais o público do que o amor de Beth/Xavier. Tanto que muita gente está ansiosa pelo o 2º livro para saber como Gabriel vai aparecer na história e como uma determinada situação vai acabar (não vou contar o que é porque aí seria um grande spoiler).

Xavier é um personagem que também chama muita atenção, primeiro porque é um humano e segundo porque é um cara muito paciente e tranquilo demais, ele não pira ao descobrir que a Beth é anjo e nem se assusta com a ‘ira’ de Gabriel, ele é além da imaginação. Mas por tudo que foi contado na história, vejo que ele terá uma grande importância na trama e torço para que nos próximos livros coisas sejam explicadas sobre o rapaz.

Uma coisa que fiquei com bastante dúvida foi a respeito do ‘mal’ que eles vieram evitar/destruir em Venus Cove. Entendo que o mal existe e a luta eterna entre as duas forças existam, mas não ficou muito bem explicado onde está essa fonte. Porque os anjos apenas começam a fazer apenas ações de caridade e não explica ou dá exemplo de uma fonte já existente na cidade.

Mas não se enganem achando que não há um vilão, ele existe, mas aparece bem depois na história, faz uma menção a eterna briga, mas nada forte que justifique à ida deles a cidadezinha. O vilão aparece, faz o caos programado (com bastante confusão e situações bem ruins, diga-se de passagem) e deixa uma cidade destruída para trás.

Eu li o livro sem achar que ele era o top-top do ano, gostei da história, achei que abordou coisas interessantes (o romance me lembrou o filme Cidade dos Anjos e a bela música Iris do Go Go Dolls, e olha que eu quase nunca costumo associar livros às músicas quando estou lendo os mesmos). E estou ansiosa pelo livro dois. Vejo as discordâncias cometidas pela autora como falta de uma leitura de um agente com mais pulso, afinal a mesma tem apenas 18 anos. E sim, ela será muito mais cobrada no livro 2 do que está sendo agora.

Ela contou a história de uma forma bacana e fácil de ler, mostrou que apesar de figuras que não necessariamente se importam conosco, os anjos podem gostar de viver as experiências terrenas e como consequência deixar algumas coisas fora de ordem.

Quero saber mais sobre Gabriel e principalmente entender o que realmente fez com que o ‘Conselho Celestial’, se é que posso chamar assim, escolhesse a cidade de Venus Cove como uma base para os 3 anjos da história. A espera de Hades para saber dessas informações então.

Gostou da resenha? Ficou animado com o Halo? Quer concorrer a um? Então quando essa resenha atingir 25 comentários, rola o sorteio de um exemplar do livro e você vai poder conferir todas essas coisas citadas por aqui.

Próximos Livros:
Livro 2 - Hades
Livro 3 - Heaven

Share:

0 comentários